Destaques Amazonas

Wilson Lima e Carlos Almeida são alvos de quatro pedidos de impeachment

MANAUS – A ALE (Assembleia Legislativa do Amazonas) recebeu quatro pedidos de impeachment contra o governador Wilson Lima e o vice-governador Carlos Almeida Filho por crimes de responsabilidade e de improbidade administrativa.

Entre os deputados, no entanto, há pouca expectativa de que algum dos pedidos de impeachment prospere. O presidente da ALE, Josué Neto (PRTB) disse que está aguardando parecer da Procuradoria Jurídica da Casa sobre a admissibilidade dos pedidos e só então se manifestará sobre eles. “Não há prazo”, disse.

O primeiro foi apresentado no dia 22 de abril pelo Simeam (Sindicato dos Médicos do Amazonas) e aponta o cometimento de pedaladas fiscais, crimes contra a guarda e legal emprego do dinheiro público e atos de improbidade administrativa.

Entre os fatos narrados estão o colapso no sistema de saúde do Amazonas, com falta de leitos clínicos e de UTI, e o aumento do número de mortes por Covid-19, incluindo três médicos, e o aluguel de imóvel do grupo Nilton Lins por R$ 2,6 milhões.

Os médicos citam o patrocínio de R$ 1 milhão a um programa de TV local, o aumento de até 465% da remuneração de servidores do alto escalão e o pagamento de R$ 736 milhões de dívidas de gestões anteriores em período “absolutamente delicado”.

O sindicato sustenta que o pedido de impeachment é uma medida para evitar a intervenção federal. “A atual gestão do Governo do Amazonas se mostrou ser inteiramente inapta a gerenciar e aplicar as verbas públicas de forma devida”, diz o pedido do Simeam.

O segundo e o terceiro pedido de impeachment, apresentados no dia 27 de abril, foram assinados pelos médicos Mário Vianna e Patrícia Sicchar e alcançam, respectivamente, o vice-governador Carlos Almeida Filho e o governador Wilson Lima. Os argumentos dos médicos são os mesmos apresentados pelo sindicato.

O quarto pedido de impedimento contra Lima e Almeida Filho é assinado por William Bitar Barroso dos Santos, que se identifica como coordenador do Movimento Independente do Amazonas e coordenador Regional do Movimento Conservador.

William Santos cita os decretos estaduais que fecharam o comércio não essencial e que proibiram o transporte fluvial de passageiros no estado e o descumprimento de decisão judicial que determinou medidas para ampliação de leitos clínicos e de UTI.

“Com base no Decreto Estadual nº 42.099, de 21 de março de 2020, o governador Wilson Miranda Lima de forma irresponsável estrangulou a economia do Estado do Amazonas”, diz trecho da denúncia apresentada aos deputados estaduais.

O coordenador do Movimento Independente do Amazonas também cita o aluguel de imóvel do Nilton Lins e “as compras superfaturadas de respiradores”, considerados inadequados pelo CRM (Conselho Regional de Medicina), por R$ 2,9 milhões.

A reportagem solicitou informações do Governo do Amazonas, mas até o fechamento desta matéria nenhuma resposta foi enviada.

FONTE:

Publicações relacionadas

Confiante que Pandemia vai passar, Superintendente da Suframa diz que Governo do AM errou ao colocar Câmaras Frigoríficas na área externa do Delphina Aziz. “Colocar Frigorífico lá no Hospital não combate a causa. Acaba criando uma grande Histeria na População”, disse Alfredo Menezes. VEJA VÍDEO

Redação

Professores denunciam Hapvida e deputado cobra notas fiscais à Secretaria de Educação do Estado

Redação

Polícia Federal faz operação contra corrupção na infraero

Redação

Deixe uma resposta