Amazonas Cotidiano Destaques Manaus

URGENTE MANAUS TEM QUEDA BRUSCA NO NÚMERO DE ATENDIMENTO DA COVID 19

Pacientes ocupam 200 leitos de UTIs na rede pública e privada

Mais de 7 mil pacientes estão se tratando em casa com sintomas leves da doença

E mais de 10,6 mil já foram curados

Não foi só o número de mortes que caiu nos últimos dias. Cerca de 30% nessa semana. A ocupação de leitos clínicos também. Nos principais hospitais da cidade, médicos e enfermeiros relatam a queda brusca no número de pacientes que procuram a rede pública e privada para tratar da Covid-19, mesmo com os números de casos no Estado atingindo uma média de mil casos diários nessa semana. O ex-ministro Mandetta chegou a afirmar durante entrevistas, que Manaus deveria ser a primeira capital a sair da pandemia

Vários vídeos e fotos circularam nas redes sociais mostrando salas rosas (enfermarias dedicadas a pacientes com sintomas de Coronavírus) praticamente vazias. A queda na internação de pacientes é confirmada por profissionais de saúde que estão na linha de frente , mas ainda não se tem um percentual.  O mais recente boletim epidemiológico divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) mostra que 1.273 pacientes estão internados em leitos clínicos e de UTIS da rede de saúde pública e privada. Entre os casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, há 551 pacientes internados, sendo 361 em leitos clínicos (61 na rede privada e 300 na rede pública) e 190 em UTI (83 na rede privada e 107 na rede pública).

Há ainda outros 681 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico. Desses, 475 estão em leitos clínicos (119 na rede privada e 356 na rede pública) e 206 estão em UTI (61 na rede privada e 145 na rede pública). E 7.112 pessoas estão sendo tratadas em casa, cumprindo isolamento social.

Os números mostram que mesmo com aumento dos casos notificados, a pressão na rede de saúde não aumentou, sinalizando que há mais pessoas se tratando em casa com o quadro mais leve da doença.

O certo é que a pressão e o colapso identificados desde abril não são a realidade hoje nos SPAs, UPAs, pronto-socorros e nem no hospital de campanha da Prefeitura, na unidade de retaguarda da Nilton Lins e nem no Delphina Aziz, o hospital de referência para o tratamento de coronavírus no Amazonas.

A maior preocupação no momento é com o avanço da doença no interior do Estado, onde não há leitos de UTI e capacidade de transporte em UTI aérea é bastante limitada.

FONTE:portalunico

Publicações relacionadas

Presidente Roberto Cidade assina requerimento de instalação da CPI da Pandemia

Redação

Manaus registra cinco mortes durante réveillon, aponta IML

Redação

Em Manaus, alunos poderão trocar máscaras tamanho G a partir de segunda-feira

Redação

Deixe um comentário