Destaques Mundo

TSMC DEIXA DE FABRICAR CHIPS PARA HUAWEI POR PRESSÃO DOS EUA

A fabricante terceirizada de processadores TSMC, que é uma das maiores do mundo no segmento, anunciou nesta segunda-feira (18) que suspendeu as negociações e futuras encomendas realizadas pela Huawei. A confirmação é do jornal Nikkei Asian Review.

O motivo é uma nova medida econômica dos Estados Unidos, que está em guerra comercial com a marca chinesa desde o ano passado e reforçou ainda mais o cerco contra a marca. Segundo o Departamento do Comércio, qualquer semicondutor fabricado no estrangeiro com tecnologia norte-americana precisa de uma licença própria — uma regulação que provavelmente não é nada fácil de ser obtida e que deve ser solicitada para cada novo carregamento, com uma multa pesada para quem não cumprir as regras.

Para não se complicar com o governo dos EUA, a taiwanesa TSMC parou de aceitar novos pedidos da Huawei, que é a segunda maior cliente da companhia e depende dela para a produção dos processadores Kirin e de chips dedicados de rede e inteligência artificial. Parcerias fechadas até o final da última semana e encomendas ainda em andamento serão finalizadas sem interferências. A empresa é também uma das principais contratadas pela Apple nesse mercado.

Guerra de trincheiras

Em uma palestra realizada na China, o CEO da Huawei, Guo Ping, chamou a nova medida dos EUA de “árbitrária”, afirmou que “sobrevivência” é a palavra-chave para a empresa no momento e disse esperar impactos negativos com essa nova proibição. Segundo a Reuters, o executivo reforçou que todas as restrições eram obedecidas com rigor até agora.

Quando a suspensão de negociação de empresas dos EUA com a Huawei foi iniciada, a TSMC reforçou que continuaria fornecendo produtos para os chineses — o que é relevante mesmo ela também sendo estrangeira, já que parte da tecnologia empresa é norte-americana. Nos últimos dias, entretanto, ela reforçou os laços com o país, ao confirmar a construção de uma fábrica no estado do Arizona.

Vale lembrar que, anteriormente, a companhia foi proibida de negociar com marcas dos EUA por fazer parte de uma “lista proibida” e não pode utilizar o ecossistema de aplicativos e serviços da Google.

FONTE:tecmundo

Publicações relacionadas

Missão com Mourão e diplomatas visita Amazonas

Redação

AADESAM, UMA CAIXA PRETA NO GOVERNO DO ESTADO, COMANDADA POR UM PASTOR NADA CONVENCIONAL

Redação

Luva de Pedreiro se muda para mansão após assinar contrato com marca famosa

Redação

Deixe um comentário