Manaus

TJAM alega que juiz invadiu competência em recurso contra Adail Filho

MANAUS – Os desembargadores do TJAM (Tribunal de Justiça do Amazonas) determinaram, na segunda-feira (23), que o juiz Fábio Alfaia, da Comarca de Coari (a 363 quilômetros de Manaus), envie à segunda instância um recurso do MP-AM (Ministério Público do Amazonas) contra sentença que rejeitou uma ação penal contra o ex-prefeito Adail Filho (Republicanos).

Na denúncia do MP, originada das investigações da Operação Patrinus, Adail Filho e outras seis pessoas, incluindo empresários, advogados e um ex-secretário municipal de Coari, são acusados de praticar crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva, corrupção ativa e ordenação irregular de despesa, no âmbito da prefeitura.

De acordo com os promotores do Gaeco, em maio de 2021, Fábio Alfaia rejeitou a ação penal e, dentro do prazo, o MP recorreu da decisão. No entanto, em vez de enviar o recurso para a segunda instância, o magistrado adentrou no mérito, analisou as alegações, e ainda, negou o pedido, invadindo a competência do colegiado do TJAM.

Nesta segunda-feira (23), durante julgamento, os desembargadores chegaram a conclusão de que o magistrado não poderia negar o seguimento do recurso, pois cabe apenas ao colegiado “examinar se as razões recursais são suficientes para a reforma da decisão recorrida”. Para os desembargadores, o magistrado “incorreu em flagrante ilegalidade”.

“Pelo conteúdo do ato decisório, constata-se que houve flagrante ilegalidade, uma vez que o Magistrado, sob o pretexto de analisar o requisito de admissibilidade do interesse recursal, invadiu o próprio mérito da pretensão deduzida, cuja competência pertence exclusivamente ao juízo ad quem [instância superior]”, diz trecho da decisão do colegiado.

Além de Adail Filho, são alvos da denúncia o ex-secretário de Fazenda de Coari Wanderlan da Silva Ramalho, os empresários Alexsuel da Silveira Rodrigues e Thiago Guilherme Caliri Queiroz, os advogados Luiz Domingos Zahluth Lins e Gutemberg Ferreira de Luna, e o cidadão Fernando Luiz Lima Ferreira.

A denúncia aponta fraudes no pagamento de R$ 2,7 milhões feito pela Prefeitura de Coari a empresa Nortepetro Comércio de Combustível. Conforme o MP, sem aval da PGE (Procuradoria-Geral do Município), a prefeitura firmou um acordo extrajudicial com essa empresa e pagou a dívida alegada sem que a prestação dos serviços tenha sido comprovada.

Segunda denúncia

A denúncia sobre pagamento à Nortepetro é a segunda originada da Operação Patrinus que o juiz Fábio Alfaia rejeita e impede o envio do recurso do MP à segunda instância. No ano passado, ele fez o mesmo com uma ação penal na qual os promotores denunciam pagamento irregular de R$ 14,3 milhões à empresa Lorena Publicidade e Comunicação.

Naquele caso, o MP relatou que Alfaia anulou a investigação que deu origem à denúncia e todos os procedimentos que têm conexão com a apuração, e rejeitou a ação penal sob alegação de inépcia relativamente a Fernando Luiz de Lima Ferreira e por ausência de justa causa relativamente a todos os denunciados.

No dia 31 de maio, o MP apresentou recurso contra a decisão do juiz. No entanto, dias depois, em 7 de junho, Alfaia lançou movimentação de conclusão do processo e, momentos depois, analisou o mérito do recurso e negou seguimento ao recurso do MP, com base na suposta ausência de interesse recursal.

Ainda conforme o MP, nos dias seguintes, o magistrado adotou procedimentos que resultaram no arquivamento definitivo do processo. Para o órgão ministerial, da “maneira peculiar” como foi proferida, a decisão que negou o envio do recurso ao colegiado passou a não ter recurso para atacá-la e, com isso, “se revela abusiva e teratológica”.

Entre outras ilegalidades, o MP apontou que a decisão de Alfaia “inovou o trâmite processual ao fazer um juízo de admissibilidade que não lhe cabia, ainda mais adentrando no mérito recursal. Além disso, “usurpou a competência do Tribunal de Justiça e violou o seu direito líquido e certo de ver a sua pretensão recursal apreciada”.

Publicações relacionadas

Saída da Petrobrás do Amazonas

Redação

Embriagado, motorista de carreta causou acidente com Amarelinho que matou gari em Manaus

Redação

CPI da saúde faz acareação sobre O.S.

Redação

Deixe um comentário