Política

TCU acaba com sigilo sobre estoques do Ministério da Saúde

BRASÍLIA – O TCU (Tribunal de Contas da União) determinou a suspensão dos sigilos de estoques do Ministério da Saúde.

A decisão cita reportagens da Folha de S.Paulo que revelaram que o governo Jair Bolsonaro (PL) acumulava, no ano passado, R$ 243 milhões em produtos vencidos, e que o diretor de Logística da Saúde, o general Ridauto Ribeiro, decidiu, em abril de 2022, ampliar o sigilo sobre os estoque.

O relator do processo, ministro Vital do Rêgo, afirmou na decisão que o sigilo “configura prejuízo ao controle social, à transparência dos atos da administração pública e ao direito à informação”.

“As informações do estoque de medicamentos e insumos de saúde, com a identificação daqueles cujo prazo de validade já se expirou, em princípio, por serem de interesse público e essenciais ao controle social, não deveriam ser consideradas sigilosas, a menos que se configurasse alguma causa justa que impedisse o seu amplo acesso”, disse o ministro Vital do Rêgo, relator do processo.

A suspensão foi feita de forma cautelar, assinada no último dia 3, e deve ser chancelada pelo restante da corte na sessão desta quarta-feira (8). A determinação atende a uma demanda feita pelo senador Alessandro Vieira (PSDB-SE) e pelos deputados Felipe Rigoni (União Brasil-ES) e Tabata Amaral (PSB-SP).

O ministro também determinou que a Saúde envie mensalmente ao TCU dados sobre todos os produtos que foram incinerados por ultrapassarem a validade.

Ele ainda cobrou que a empresa VTCLog, que administra o centro de distribuição da Saúde, localizado em Guarulhos, na Grande São Paulo, envie dados sobre os produtos incinerados desde 2019.

Procurada, a VTClog disse que “não tem qualquer ingerência sobre a incineração de medicamentos, uma vez que este procedimento é determinado único e exclusivamente pelo Ministério da Saúde”.

O Ministério da Saúde ainda não se manifestou sobre a decisão do tribunal. Como revelou a Folha de S.Paulo, o sigilo de todo o estoque do Ministério da Saúde cairia no próximo ano, mas o general Fernandes assinou novo termo de classificação da informação no dia 20 de abril.

Com isso, não há mais uma data para todo o estoque ser revelado. As informações serão protegidas por dois anos a partir de quando forem produzidas.

Fernandes disse à Folha de S.Paulo que uma das ideias é evitar que a indústria use os dados sobre o estoque para cobrar mais caro. “Se a pessoa que vai me vender sabe que estou desesperado para comprar, por exemplo, porque está acabando o produto, o preço vai lá na nuvem”, disse o general da reserva.

A área técnica do TCU disse que “falta plausibilidade” no argumento apresentado por Fernandes. O relator do processo ainda afirmou que a Saúde não conseguiu justificar o sigilo ao tribunal.

No termo de classificação, a Saúde cita trechos de artigo da Lei de Acesso à Informação (12.527/2011) sobre dados “imprescindíveis à segurança da sociedade ou do Estado” para justificar o sigilo.

Os pontos citados afirmam que os dados sobre estoque podem pôr em risco a vida, a segurança ou a saúde da população; oferecer elevado risco à estabilidade financeira, econômica ou monetária do país; e pôr em risco a segurança de instituições ou de altas autoridades nacionais ou estrangeiras e seus familiares.

O ministro também determinou que gestores da Saúde expliquem os “alegados riscos que fundamentaram a decisão de impor sigilo aos dados de estoque de insumos estratégicos em saúde”.

O relator ainda afirma que a análise de auditores já verificou que é “ineficiente” a gestão dos estoques da Saúde, “o que tem contribuído para o vencimento do prazo de validade de produtos em saúde”.

O Ministério da Saúde usou esse novo termo de classificação em 11 de abril para rejeitar um pedido feito pela Folha de S.Paulo via Lei de Acesso à Informação sobre o estoque total vencido da pasta.

Os dados sobre esses produtos são facilmente obtidos em sistemas internos do Ministério da Saúde, usado apenas por servidores autorizados. A Saúde guardava 3,7 milhões de itens sem validade em 2021. O dado foi obtido a partir de relatórios internos da pasta.

A lista de produtos vencidos incluía, por exemplo, 820 mil canetas de insulina, compradas por R$ 10 milhões e suficientes para 235 mil pacientes com diabetes durante um mês.

O governo Bolsonaro também perdeu frascos para aplicação de 12 milhões de vacinas para gripe, BCG, hepatite B (quase 6 milhões de doses), varicela, entre outras doenças.

A lista revelada pela Folha de S.Paulo ainda apontava produtos vencidos que poderiam servir a pacientes do SUS com hepatite C, câncer, Parkinson, Alzheimer, tuberculose, doenças raras, esquizofrenia, artrite reumatoide, a transplantados e pessoas com problemas renais, entre outras situações. Os produtos vencidos precisam ser incinerados, segundo as regras sanitárias no Brasil. A Saúde também tem despesas neste processo, feito por empresa privada.

Em alguns casos, como de falha do produto ou quando ele é fornecido com validade curta, o governo consegue repor o estoque vencido por acordos contratuais com as fabricantes.

Essa operação, porém, pode atrasar os tratamentos. Além disso, há situações de prejuízo aos cofres públicos e aos pacientes. No caso das canetas de insulina, os dados de 2021 indicavam que a Saúde não entregou cerca de 20% da compra de estreia deste produto no SUS, feita em 2018.

Em maio, o diretor de Logística da Saúde disse à Folha de S.Paulo que a pasta está elaborando uma portaria com orientações de como evitar a perda de produtos pelo fim da validade.

Publicações relacionadas

Senador rebate governadores sobre perdas de receita com corte de impostos

Redação

Trump entra com processo para interromper apuração na Pensilvânia

Redação

O “plano macabro” embaixador chinês marca reunião com os governadores que querem derrubar Bolsonaro

Redação

Deixe um comentário