Amazonas Destaques Manaus

TCE vai julgar representação sobre contrato do Delphina

Manaus – O Tribunal de Conta do Estado (TCE) admitiu representação que contesta contrato no valor de R$ 101 milhões firmados entre a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e o Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) para prestação de serviços no Hospital Delphina Aziz.

Na representação ingressada pelo deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) é citado que que os gastos geram prejuízo aos cofres públicos do Estado e pede a suspensão dos termos aditivos do contrato.

“Observa-se que a gestão temerária do Poder Executivo Estadual, em especial do governador do Estado do Amazonas e do ex-secretário de Saúde, além da atitude do representante do INDSH, é uma ofensa a todos os órgãos de controle, assim como um total desrespeito para a população amazonense, que deve ser priorizada com o direcionamento de todos os recursos possíveis para vacinação e prestação de serviços na saúde pública”, consta no documento.

De acordo com o parlamentar, foi assinado quarto termo aditivo para “indicar o Hospital Delphina Aziz como unidade de referência ao enfrentamento da pandemia. Foi estipulado o pagamento do valor mensal de R$ 16.919.822,78, perfazendo o total de R$ 101.518.936,78 por seis meses de contratação. Tal como no termo aditivo anterior, não houve a estipulação de fases escalonadas de execução contratual”.

O deputado narra informações do MPF em que o órgão ministerial afirma que houve divergência entre o cronograma de repasses e a execução de serviços.

Em 16 de junho, a Justiça Federal determinou ao Estado do Amazonas a elaboração de um novo programa de trabalho para o contrato firmado com INDSH para gestão da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Campos Salles e do Hospital Delphina Aziz.

O contrato foi firmado em março de 2019 com o INDSH e previa o pagamento por meio de uma metodologia composta de uma parte fixa, correspondente a 90% do valor, e outra variável, referente aos outros 10% dos valores mensais, calculada a partir do atingimento de metas de qualidade.

De acordo com a metodologia, o INDSH receberia o valor mensal de R$ 8.451.349 na primeira fase de implantação, prevista para abril de 2019. Em maio do mesmo ano, na segunda fase, o valor seria R$ 11.624.454; na terceira R$ 14.655.952,00, com previsão de execução em junho de 2019; e na quarta R$ 15.625.450,00, prevista para os meses seguintes.

Diante das informações, o presidente do TCE, Mário de Mello, verificou que a representação preenche os requisitos de admissibilidade. “Ante o exposto, entendo que os autos devam ser encaminhados ao relator competente para apreciação da cautelar e estudo mais apurado dos fatos aduzidos na peça inicial”, consta em despacho publicado ontem no Diário Oficial Eletrônico do TCE.

Publicações relacionadas

Governo prorroga presença da Força Nacional de Segurança na Amazônia

Redação

Suspeito de invadir casa, estuprar, roubar e tentar matar vizinha é preso em Manaus

Redação

PRISÃO À VISTA – Festa em Coari causa revolta e indignação da população que exige Justiça

Redação