Amazonas Destaques Manaus

TCE vai apurar contrato na Susam

Manaus – O Tribunal de Contas do Estado (TCE) admitiu representação do Ministério Público de Contas (MPC) contra a secretária de Estado de Saúde, Simone  Papaiz, para apurar dispensa de licitação realizada pela Susam para contratar a empresa Líder Serviços de Apoio a Gestão de Saúde Ltda. para prestar serviços de  exames por imagem no Hospital de Campanha de combate ao Covid-19, na Nilton Lins.

Segundo publicação no Diário Oficial do TCE, do último dia 1º, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) não respondeu ofício a expedido pelo MPC pediu cópia do processo administrativo da dispensa de licitação, bem como motivo que levou à contratação da referida empresa concedendo três dias para resposta. A representação do MPC é assinada pelos procuradores de contas João Barroso de Souza, Ruy Marcelo Alencar de Mendonça, Evelyn Freire de Carvalho e Elissandra Monteiro Freire Alvares.

Segundo o MPC, a empresa foi contratada para serviços de exames por imagens (Foto: Divulgação)

A publicação narra, ainda, que o ato do MPC tem por base “denúncia popular no sentido de que os serviços contratados de exames por imagens seriam desnecessários (ilegítimos) e antieconômicos, tendo em vista a existência de servidores médicos imagenologistas e técnicos em radiologia, dentre os servidores concursados pelo Estado (bombeiros profissionais de saúde), que estariam lotados na unidade de campanha e que estariam aptos a realizar o mesmo serviço atribuído à empresa contratada no tocante a serviços de exame por imagens (raio-x, ultrassom e tomografia)”.

Ainda segundo o órgão ministerial de contas, foi requisitado à Susam, “prova de justo motivo impessoal de escolha da pessoa jurídica e de economicidade dos preços praticados, bem como a comprovação da disponibilização, em plataforma pública específica na rede mundial de computadores (Portal de Transparência), de todas as informações relativas à contratação”.

Em outro trecho da representação admitida pelo TCE, o MPC pede aplicação de multas a Simone Papaiz pela omissão de resposta à requisição e cita que a empresa já possui outro contrato com o hospital de campanha.

“Diante da sonegação de informações por parte do responsável, faz-se imperioso o prosseguimento da instrução apuratória, de modo a se descartar possível falha de gestão por despesa ilegítima e antieconômica, em detrimento da primazia dos investimentos em serviços essenciais a combate à Covid-19. Tem-se notícia de que a referida empresa teria um segundo vínculo contratual para o mesmo hospital de campanha, para fornecimento de profissional de saúde para os plantões, mas de termos incertos por deficiência de transparência”, consta no documento.

Ao admitir a representação, o presidente do TCE, conselheiro Mário de Mello, determina que ela seja encaminhada a relatora das contas da Susam, Yara Lins, para “para apreciação da cautelar e estudo mais apurado dos fatos aduzidos na peça inicial”.

Publicações relacionadas

Ministério Público de Conta denuncia sobrepreço na compra de EPIs pelo governo Wilson Lima

Redação

Prefeito Arthur Neto anuncia medidas administrativas para enfrentar tempos de Covid-19

Redação

Incêndio atinge Subestação de Energia Elétrica em Manaus

Redação

Deixe uma resposta