Amazonas Destaques Manaus

Suframa completa 53 anos de existência com reformulação no modelo econômico; Polo Digital é aposta para geração de empregos

Novo modelo poderia gerar uma economia de R$ 40 bilhões até 2038. — Foto: Reprodução/JN
Novo modelo poderia gerar uma economia de R$ 40 bilhões até 2038. — Foto: Reprodução/JN

Novo modelo poderia gerar uma economia de R$ 40 bilhões até 2038. — Foto: Reprodução/JN

A Zona Franca completa nesta sexta-feira (28) 53 anos desde a sua criação, sendo responsável por 80% do Produto Interno Bruto do Estado. O modelo ao longo de sua existência vem impulsionando a atividade econômica na Região. Ao mesmo tempo, empresários e entidades do setor vêm buscando alternativas para diversificar a matriz econômica. E a criação do Polo Digital é aposta para geração de empregos na região.

O Vice-Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Nelson Azevedo, defende a diversificação do modelo Zona Franca, mas destacou que deve haver discussões e planejamento a respeito do assunto.

“Estamos completando 53 anos,, mas no meu entendimento dormimos 53 anos em berço esplêndido. Não somos proativos, somos reativos. Reagimos quando os incentivos fiscais são ameaçados. Agora, é hora de começarmos a realmente fazer algo para ter uma diversificação para termos um futuro que possa servir de complemento a esse modelo”, contou.

Uma das alternativas já em desenvolvimento é a criação do Polo Digital, que já começa, aos poucos, a redesenhar o cenário, segundo especialistas. A estimativa do Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico da Manaus – Codese é que com a implementação do polo sejam gerados R$ 40 bilhões na economia do estado até 2038.

Segundo o vice-presidente do Conselho, Euler Souza, a criação de startups é a alternativa do polo para geração de empregos por toda a cidade.

“São empregos para desenvolvedores de software, designers, cientistas de dados, gerentes de projetos, especialistas em metodologia ágeis, entre outros. Este será o ano para construção do ambiente mais favorável para termos uma base firme a fim de ter startups e empresas de tecnologia surgindo e sendo desenvolvidas em Manaus, podendo render alguns milhões em faturamento”, resumiu.

O mapeamento do ecossistema do Polo digital de Manaus mostrou que já existem mais de 100 Startups atuando em Manaus. Os segmentos são os mais diversos possíveis: logística, venda de produtos e serviços, beleza, indústria, entre outros.

“Precisamos fortalecer nossa economia em outros segmentos, além do Polo Industrial de Manaus. E o Polo Digital de Manaus é uma proposta muito interessante que colabora com o desenvolvimento de uma matriz econômica importante, inserindo Manaus no contexto da Economia Digital, na qual figuram empresas que colaboram com as revoluções pelas quais temos passado em todo o planeta”, concluiu Euler.

Atualmente o polo digital funciona como uma espécie de ecossistema de tecnologia da informação e da comunicação composto por institutos, startups, universidades, institutos públicos e privados, aceleradoras, incubadoras. Um desses atores que já atuam no chamado ecossistema digital em Manaus é o Instituto de Ciência e Tecnologia Sidia. Segundo a diretora do instituto, Vânia Capela, há uma tratativa para que seja implantada uma governança para o polo digital.

“Necessitamos disso para que possamos trabalhar de uma forma unida e coordenada para alavancar o ecossistema, para que nós possamos gerar mais negócios e de fato consolidar esse ecossistema como uma nova matriz econômica na cidade de Manaus”, disse.

Capela destacou ainda que o sistema de governança ajudaria no mapeamento desse ecossistema, à medida que novos empregos fossem gerados, por exemplo.

Em janeiro deste ano, a prefeitura anunciou a contratação de uma consultoria em cenários estratégicos. O contrato foi assinado pelo prefeito de Manaus, Artur Neto e o empresário Cláudio Marinho, diretor da empresa Porto Marinho, responsável pelo Porto Digital, em Recife (PE). O objetivo é incentivar o empreendedorismo e desenvolvimento tecnológico.

A entrada da Feira do Polo Digital no calendário oficial manauara também demonstra novas iniciativas no segmento e no desenvolvimento do polo tecnológico. Na última edição, mais de 19 mil visitantes participaram do evento, que contou com mais de 50 expositores e 48 startups, prospectando R$ 16 milhões negócios para a região.

Publicações relacionadas

Arthur diz que não cuidar da Amazônia é insistir numa visão cega que colocará Brasil longe das decisões mundiais

Redação

Bolsonaro convida governadores para lançar plano de vacinação contra Covid

Redação

Prefeitura recebe MPAM para inspeção no hospital de campanha

Redação

Deixe uma resposta