Amazonas Destaques Manaus

Saída da Petrobrás do Amazonas

Eduardo Braga alerta que Amazonas precisa se tornar atrativo na indústria de óleo e gás

Parlamentar disse que a Refinaria de Manaus está desatualizada tecnologicamente e que esse problema precisa ser equacionado rapidamente

O senador Eduardo Braga, líder do MDB, se pronunciou neste sábado (27) sobre o anúncio da saída da Petrobras do Amazonas. Ele alertou que o Amazonas está sob ameaça de perder futuros empreendimentos na indústria de óleo e gás, caso o governo do Estado não construa, urgentemente, um plano estratégico para mostrar ao mercado financeiro a importância de atrair investimentos nacionais e internacionais para a bacia produtiva de Urucu. A reserva petrolífera está sendo colocada à venda pela Petrobras.

Desde 2010, a Petrobras iniciou o processo de desinvestimento no Amazonas, que começou com a venda da operação do gasoduto Urucu/Manaus, hoje administrada pela empresa francesa Engie. A companhia também colocou à venda a Refinaria de Manaus Isaac Sabbá, um dos mais importantes patrimônios na macroeconomia do Estado.
“E, agora, não é surpresa, anuncia que está vendendo toda a bacia produtiva gasífera, que envolve Urucu e obviamente as suas reservas de gás no Estado”, disse Braga.

O senador explicou que, com a medida da Petrobras de deixar o Amazonas, o Estado precisa se mostrar mais atrativo para futuros investidores:
“sob pena de não termos investimentos” na indústria de óleo e gás, que representa um percentual significativo no Produto Interno Bruto (PIB) estadual. Eduardo Braga lembrou que os últimos investimentos da Petrobras no Amazonas, aconteceram no período de 2002 a 2010, quando o parlamentar foi governador do Estado e a presidência era do PT.

Desatualizada ─ Eduardo Braga disse que a falta de investimento da Petrobras no Amazonas deixou a Refinaria de Manaus desatualizada tecnologicamente e que, atualmente, está fazendo com que o petróleo que produzido em Urucu – que é um produto leve e de alta qualidade – seja levado para ser refinado na Bahia. “Enquanto isso, dois grupos empresariais do setor, importam derivados de petróleo de Houston, Georgetown, Kuait e Iraque e vendem aqui no Amazonas. Mas essa operação é ruim para a geração de emprego, renda e o arranjo macroeconômico”, observou o senador.

─ A defasagem tecnológica da nossa refinaria é um problema que precisa ser equacionada rapidamente. E a Petrobras não vai mais investir aqui. O pré-sal ficou grande demais em relação a operação da companhia na Amazônia. Então, o que a Petrobras estabeleceu? A minha prioridade é o pré-sal e não mais a exploração continental. A Petrobras está se especializando em empresa de exploração de águas profundas -, finalizou Eduardo Braga.

Publicações relacionadas

Em protesto, taxistas pedem liberação do transporte intermunicipal no Amazonas

Redação

Adaf notifica convocados em concurso público para apresentar documentação

Redação

Tribunal cria comitê para fiscalizar recursos destinados ao combate ao COVID-19 no AM

Redação

Deixe uma resposta