Amazonas Destaques Manaus

Roberto Cidade comemora decisão do ministro Alexandre de Moraes que resguarda os incentivos da ZFM

“É uma vitória do povo amazonense”. Foi assim que o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado estadual Roberto Cidade (UB), comemorou a liminar proferida pelo ministro Alexandre de Moraes em favor da Zona Franca de Manaus (ZFM). A liminar do ministro atendeu à Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) do partido Solidariedade, feita a pedido da bancada federal do Amazonas no Congresso. A decisão suspende, parcialmente, dois decretos que reduzem em 25% e 35% o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), prejudicando a competitividade da Zona Franca e, integralmente, o decreto que zera o imposto para o polo de concentrados.
“Parabenizo o governador Wilson Lima, o deputados federais, senadores da República, os 24 deputados estaduais e todos os que se empenharam para resguardar a competitividade da nossa Zona Franca de Manaus. O diálogo, o bom senso e a sensibilidade de todos permitiram que tivéssemos esse resultado positivo. Isso é uma vitória do Amazonas, é uma vitória da ZFM, é uma vitória do povo amazonense”, comemorou o parlamentar, que esteve em Brasília esta semana em audiências no Supremo.
Cidade alertou que, no entanto, essa vitória é apenas o primeiro passo. “Ainda vamos enfrentar outras batalhas, mas essa decisão já nos dá um certo alívio e nos dá motivos para comemorar”, disse.
O ministro suspendeu os efeitos do Decreto no 11.052 (28/4/22) e os Decretos no 11.047 e no 11.055 (14/4/22 e 28/4/22 respectivamente). Conforme o entendimento, no caso dos dois últimos, a decisão se aplica apenas “no que se refere à redução das alíquotas em relação aos produtos produzidos pelas indústrias da Zona Franca de Manaus que possuem o Processo Produtivo Básico”.
Na decisão, o ministro Alexandre de Moraes solicitou que o presidente Jair Bolsonaro seja comunicado com urgência do teor do documento e deu prazo de dez dias para que ele responda à decisão. Após o prazo, a Advocacia Geral da União e a Procuradoria Geral da República terão prazo de cinco dias para as devidas manifestações.

Outras ações

O Governo do Amazonas, a Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) e a Ordem dos Advogados do Brasil no Amazonas (OAB nacional) também acionaram o STF com Ações Diretas de Inconstitucionalidade contestando os decretos que reduzem o IPI sobre produtos industrializados, sem manter a excepcionalidade dos produtos produzidos na ZFM, e ainda a retirada total de impostos sobre o polo de concentrados, prejudicando os incentivos à produção regional.

Publicações relacionadas

Filme sobre vida de ‘Elvis Presley’ terá pré-venda no Brasil

Redação

Grupo Marte detona mochila com suposto explosivo deixada em rua de Manaus

Redação

Simone, da dupla com Simaria, está grávida do segundo filho

Redação

Deixe um comentário