Amazonas Destaques Manaus

Presos no RJ, suspeitos de ordenar ataques no AM são transferidos para Manaus

Os três presos no Rio de Janeiro durante a operação “Coalizão Pelo Bem” foram transferidos para Manaus neste domingo (20). Eles desembarcaram no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes no final da tarde e, segundo a polícia, são suspeitos de liderarem uma organização criminosa e ordenar ataques ocorridos em Manaus e em cidades do interior.

De acordo com a delegada geral da Polícia Civil, Emília Ferraz, as investigações em torno dos ataques apontaram que os mandantes eram líderes de uma organização criminosa e estavam escondidos no Rio de Janeiro.

A operação foi deflagrada na última sexta-feira (18), em uma ação conjunta com as polícias do Rio de Janeiro e do Pará, onde líderes do grupo criminoso que orquestrou os ataques também foram alvos.

Homens são suspeitos de ordenarem onda de violência no Amazonas.  — Foto: Patrick Marques/G1

Homens são suspeitos de ordenarem onda de violência no Amazonas. — Foto: Patrick Marques/G1https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

A delegada informou que os três presos no Rio De Janeiro sobre a investigação dos ataques no Amazonas foram Marcelo da Silva Nunes, apontado como principal líder do grupo criminoso no Amazonas, Pedro da Silva de Carvalho, responsável pelo área financeira do grupo e Sérgio Pereira Miranda, que coordenava as ações no interior.

Ainda conforme Ferraz, os três presos serão ouvidos e encaminhados para o sistema prisional de vigilância máxima. Ela disse ainda que, durante a semana, a polícia fará tratativas para que eles sejam transferidos para presídios federais.

A operação

A operação tem o objetivo de desarticular uma quadrilha que lavava dinheiro do tráfico de drogas praticado pela maior facção criminosa do Rio de Janeiro. As investigações identificaram uma forte ligação entre o grupo criminoso do Rio de Janeiro e seu braço no estado do Amazonas.

O grupo criminoso no Rio enviava dinheiros para empresas de fachada no Amazonas. Em um ano, esse valor chegou a R$ 129 milhões. O dinheiro era usado no fortalecimento da facção no Amazonas, bem como para a aquisição de armas e drogas na região da tríplice fronteira entre Brasil, Peru e Colômbia para o grupo criminoso do Rio de Janeiro.

Durante a investigação, se constatou que a estrutura de lavagem de dinheiro também presta serviço para uma facção que atua nos presídios de São Paulo.

Balanço da operação

  • Amazonas: 5 presos, 4 veículos de luxo apreendidos e R$ 13 mil apreendidos;
  • Rio de Janeiro: 8 presos, sendo 3 do AM, 4 do Pará e 1 do Rio;
  • São Paulo: 2 presos, 1 veículo apreendido.

Tropas da Força Nacional, que chegaram ao estado após os ataques para reforçar a segurança, também participam da operação. Em Manaus, 60 policiais participaram da operação, sendo 6 da Força Nacional.

Onda de ataques

O Amazonas viveu uma onda de violência entre 6 e 7 de junho. Ônibus, delegacias, viaturas policiais, ambulâncias, prédios públicos, escolas e agências bancárias foram incendiadas e alvo de tiros. Além de Manaus, nove cidades do interior do Amazonas também registraram ações criminosas.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

O transporte de ônibus coletivo chegou a ser suspenso por dois dias na capital. O comércio fechou as portas, não houve aulas presenciais na rede pública e particular, e o expediente de órgãos públicos foi suspenso. A campanha de vacinação contra a Covid-19 também foi interrompida.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, no total, 82 pessoas foram presas e 2 adolescentes apreendidos desde o início dos ataques. Tropas da Força Nacional, com 144 homens, chegaram ao Amazonas para reforçar a segurança e atuam desde o dia 10 de junho.

Publicações relacionadas

Vacinação contra Influenza de casa em casa inicia com idosos cadastrados na ‘Estratégia da Família’

Redação

Bolsonaro não irá apoiar ninguém nas eleições municipais no 1º turno

Redação

Em Manaus, 27 bairros têm casos de coronavírus; Adrianópolis concentra maior número

Redação