Brasil Destaques Polícial

PGR vai investigar motivos para troca de superintendente da PF no Rio de Janeiro

Manaus/AM – A Procuradoria Geral da República (PGR) vai investigar as razões para a troca no comando da Polícia Federal no Rio de Janeiro, confirmada mais cedo nesta terça-feira (5) pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo um site de notícias do Globo, essa análise será um desdobramento dentro do inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar a suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na autonomia da Polícia Federal.

A tentativa de Bolsonaro de interferir na PF foi denunciada pelo ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, que atribuiu a essa ação do presidente a sua decisão de deixar o governo.

Ao anunciar sua demissão, e a investigadores, Moro afirmou que Bolsonaro tinha interesse em mudar o comando da PF no Rio para ter uma pessoa de sua confiança no posto.

Mais cedo nesta terça, em declarações a jornalistas em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro voltou a negar que tente interferir na Polícia Federal. Ele informou que o delegado Carlos Henrique Oliveira está deixando a superintendência no Rio para assumir a diretoria-executiva da PF, segundo cargo mais importante na corporação. Com isso passará a atuar em Brasília.

Bolsonaro afirmou ainda que Oliveira está deixando o Rio porque aceitou convite do novo diretor-geral da Polícia Federal, delegado Rolando de Souza, que tomou posse na segunda (4).

Nesta terça, o presidente falou sobre a mudança na chefia da PF no Rio, berço eleitoral dele e seus filhos, ao criticar diante de apoiadores manchete desta terça do jornal “Folha de S. Paulo”, que diz: “Novo diretor da PF assume e acata pedido de Bolsonaro”.

Ao deixar o cargo, o ex ministro Sergio Moro denunciou que um dos motivos da insatisfação do presidente com o ex-diretor geral da PF, Maurício Valeixo, era a resistência dele em trocar o superintendente do Rio.

“Para onde é que está indo o superintendente do Rio de Janeiro? Para ser o diretor-executivo da PF. Ele vai sair da superintendência, são 27 superintendentes no Brasil, para ser diretor-executivo. Eu estou trocando ele? Eu estou tendo influência sobre a Polícia Federal? Isso é uma patifaria, é uma patifaria”, afirmou Bolsonaro.

Questionado se solicitou a substituição de Oliveira, Bolsonaro mandou os repórteres calarem a boca. E prosseguiu:

“Cala a boca! Cala a boca! Está saindo de lá para ser diretor-executivo a convite do atual diretor-geral. Não interfiro em nada. Se ele for desafeto meu e se eu tivesse ingerência na PF, não iria para lá. É a mensagem que vocês dão. Não tenho nada contra o superintendente do Rio de Janeiro. E não interfiro na Polícia Federal. E ele está sendo convidado para ser diretor-executivo. É o 02”, disse.

fontes:portaldoholanda

Publicações relacionadas

Guedes defende inclusão de orçamento de guerra no pacto federativo

Redação

Ministério Público quer saber sobre “funcionário fantasma” da Prefeitura de Coari

Redação

Presidente Nacional do PRTB lança Josué pré-candidato à Prefeitura de Manaus

Redação

Deixe uma resposta