Amazonas Destaques Manaus

PF realiza buscas e prisões em Manaus, em desdobramento da operação Sangria

Manaus – A Polícia Federal (PF), a Controladoria Geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF) deflagaram na manhã desta quinta-feira (8), um desdobramento da Operação Sangria, que investiga casos de corrupção na saúde do Estado, durante a pandemia de Covid-19.

O objetivo é aprofundar as investigações que apuram possíveis irregularidades em contrato celebrado por dispensa de licitação e em caráter emergencial pela Secretaria de Saúde do Amazonas (SUSAM), atual SES-AM. A Operação Sangria consiste no cumprimento de 5 mandados de prisão temporária e de 11 de busca e apreensão.

(Foto: Arquivo/GDC)

Segundo informações preliminares, mandados de prisão, e de busca e apreensão, estão sendo cumpridos em um condomínio da Ponta Negra e na sede do Governo do Estado, na Compensa. O principal alvo seria a casa e o gabinete do vice-governador, Carlos Almeida.

Investigações

No decorrer das investigações que culminaram na 1ª fase da Operação Sangria, verificou-se que a SUSAM pagou R$ 2,9 milhões a uma loja de vinhos por 28 ventiladores pulmonares para tratar de infectados pelo novo coronavírus. As apurações verificaram que a aquisição foi a valores muito superiores aos de mercado, apontando para superfaturamento e direcionamento à empresa contratada. Além disso, os equipamentos foram considerados “inadequados” para pacientes com Covid-19, segundo o Conselho Regional de Medicina do Amazonas (CREMAM).

O aprofundamento dos trabalhos, consubstanciados nesta segunda fase, apontam para o possível envolvimento de agentes públicos do Estado do Amazonas nas irregularidades investigadas, inclusive com indícios de recebimento de vantagens indevidas, visando o direcionamento da escolha do fornecedor dos respiradores.

*Atualizada às 7h38 para inclusão de informações

Publicações relacionadas

Operação da PF atinge Governo Wilson Lima

Redação

Semed convoca 47 aprovados em Processo Seletivo Simplificado em Manaus

Redação

Adélio Bispo quer delatar

Redação

Deixe uma resposta