Amazonas Destaques Manaus

PF e MPF investigam desvios de R$ 80 milhões na Saúde do Amazonas

a mira do Ministério Público Federal (MPF), Polícia Federal (PF) e Controladoria-Geral da União (CGU), o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e seu vice, Carlos Alberto de Almeida (PTB), são suspeitos de liberar, entre fevereiro e agosto deste ano, repasse de R$ 82,8 milhões para um consórcio contratado por meio de uma Parceria Público Privada (PPP).https://243861e0e719f7f187db55cd41643123.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

O aporte financeiro deveria servir para equipar e gerir hospitais usados na linha de frente ao combate do novo coronavírus. Contudo, na prática, não foi o que ocorreu, segundo notas de empenho pagas pelo governo.

O material é alvo de apuração no âmbito da Operação Sangria, da PF, que investiga a atuação de uma organização criminosa instalada no governo do Amazonas com o objetivo de desviar recursos públicos destinados ao enfrentamento da pandemia no estado.

De acordo com os comprovantes analisados, apenas R$ 1,8 milhão do montante aportado foi reinvestido em benfeitorias e insumos nos hospitais geridos pela Zona Norte Engenharia, Manutenção e Gestão de Serviços S.A.

MAIS SOBRE O ASSUNTO

O que chamou a atenção das autoridades foi a velocidade e o volume de dinheiro repassado ao consórcio. A Zona Norte recebeu R$ 22.982.064,60 em todo o ano passado e, no primeiro semestre de 2020, já abocanhou R$ 82.801.512,67.

As unidades sob a coordenação do consórcio são conhecidas como Complexo da Zona Norte e compreende o Hospital Pronto Socorro Delphina Aziz e a Unidade de Pronto Atendimento Campos Sales.

“Instituto que recebeu R$ 82 milhões do governo do Amazonas investiu apenas R$ 1,8 milhão em hospitais “ by Metropoles on Scribd

https://pt.scribd.com/embeds/481435582/content?start_page=1&view_mode=scroll&access_key=key-ZekHiLgHlYa5VocjBQFH
CPI enterrada

O salto milionário nos repasses e o baixo retorno de investimento nos hospitais amazonenses aguçaram a suspeita dos deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). No entanto, depois de 120 dias investigando possíveis irregularidades na saúde pública do Estado, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde na Casa foi suspensa em 29 de setembro. O requerimento que pedia a prorrogação das investigações por mais 60 dias não foi votado por falta de quórum.

A CPI foi instalada após o Ministério Público de Contas (MPC) local iniciar investigação e cobrar respostas do governo sobre a aquisição de 28 respiradores pulmonares para a rede pública de saúde no valor de R$ 2 milhões e 970 mil. O MPC informou que o custo teve uma média de R$ 106 mil e 200 por unidade. As constatações foram semelhante às provas colhidas durante a Operação Sangria, da PF.

As apurações apontaram que, com a participação direta do governador Wilson Lima, foram identificadas compras superfaturadas de respiradores, direcionamento na contratação de empresa, lavagem de dinheiro e montagem de processos para encobrir os crimes praticados. Em um dos contratos investigados, foi encontrada suspeita de superfaturamento de, pelo menos, R$ 496 mil.https://243861e0e719f7f187db55cd41643123.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Além disso, apurou-se que os respiradores foram adquiridos por valor superior ao maior preço praticado no país durante a pandemia, com diferença de 133%.

Adega de vinho

No esquema identificado pelo MPF e pela Polícia Federal, o governo do estado comprou, com dispensa de licitação, 28 respiradores de uma importadora de vinhos. Em uma manobra conhecida como triangulação, uma empresa fornecedora de equipamentos de saúde, que já havia firmado contratos com o governo, vendeu respiradores à adega por R$ 2,4 milhões.

No mesmo dia, a importadora de vinhos revendeu os equipamentos para o estado por R$ 2,9 milhões. Após receber valores milionários em sua conta, a adega os repassou integralmente à organização de saúde. Registros encontrados pelos investigadores comprovam a ligação entre agentes públicos e empresários envolvidos na fraude.

Metrópoles procurou a Secretaria de Comunicação do Governo do Amazonas e o consórcio Zona Norte para falar sobre o repasse dos R$ 82 milhões e o retorno de apenas R$ 1,8 milhão em investimentos feitos pelo consórcio. No entanto, até a publicação da matéria, a pasta não havia se pronunciado. O espaço permanece abeto para manifestações.

Publicações relacionadas

Físicos identificam possível discrepância no “peso” do Universo

Redação

Indígenas venezuelanos denunciam quartos aglomerados e falta de água e sabão em abrigo de Manaus

Redação

Cortes de energia em residências por dívidas continuam suspensos até 31 de julho, afirma concessionária

Redação

Deixe uma resposta