Amazonas Destaques Manaus

Parlamentar repudia ação do Comando da PM por processo contra militar

Manaus – O deputado estadual delegado Péricles (PSL), repudiou, durante sessão plenária desta sexta-feira(25) na Assembleia Legislativa do Amazonas(Aleam), a ação do Comando Geral da Polícia Militar em abrir processo administrativo para expulsão do tenente-coronel Ubirajara Rosses, irmão do parlamentar. Segundo o discurso, o crime de abuso de autoridade praticado pelo comandante geral da PM é maior em relação ao crime supostamente cometido pelo tenente da reserva. “Hoje, o índice de rejeição do governador Wilson Lima, chega a 82% em todo o Amazonas”, afirmou Péricles.

Deputado Estadual Delegado Péricles (PSL), repudia ação do Comando Geral da Polícia Militar (Foto: Divulgação)

“Se todos que hoje criticam o governador forem punidos , a população do Amazonas será toda presa”. O deputado estadual Delegado Péricles denominou como ´bando de aloprados´ o grupo que tem comandado a segurança pública no governo do estado e o acusou de perseguição ao tenente-coronel Rosses e a ele. “Não é só oba oba que existe no Governo, há um “bando de aloprados no Governo” que afunda cada vez mais essa gestão. O que vem acontecendo agora é estarrecedor e eu encaro como perseguição, não só ao meu irmão, mas a mim”, disse ainda o parlamentar.

De acordo com o deputado, o Comandante Geral da Polícia Militar, coronel Ayrtron Ferreira do Norte, instaurou um conselho de justificação para expulsar o tenente-coronel Ubirajara Rosses dos quadros da polícia militar do Amazonas Rosses, lembrando que o tenente está na reserva.

“Qual a justificativa para isso? Para quem não sabe conselho de justificação serve para apurar se o oficial merece ou não permanecer na corporação, quando ele comete crimes gravíssimos, como homicídio, tráfico de drogas e crimes assemelhados. Mas qual foi o crime que supostamente imputa ao tenente?”, questiona Péricles.

Segundo a publicação do boletim da Polícia Militar lido pelo deputado delegado Péricles durante discurso, o crime cometido pelo tenente seria: “teria se manifestado por meio de publicações com críticas indevidas contra o Exmo. senhor governador do Estado do Amazonas e comando da corporação”, conforme documento.

“Este crime está previsto no código penal militar e há um questionamento no STF sobre ele ser obsoleto, porque ele fere a liberdade de expressão que consta na constituição brasileira. A pena desse crime é detenção de 2 meses a 1 ano e o crime cometido pelo comandante da PM, de abuso de autoridade é maior do que ele tá imputando ao tenente-coronel Rosses”, disse o parlamentar.

Segundo deputado Péricles, a pena para o crime de abuso de autoridade cometido pelo Comandante da Polícia Militar, é de 1 a 4 anos, mais multa. “Agora imagine, se todos que estão criticando o governador, que tem uma rejeição de 82% em todo o estado do amazonas, aplicarem esse tipo de sanção vai tá a população toda do Amazonas, presa, expulsa e demitida. Porque hoje é assim que estamos, num governo que como eu disse, é um bando de aloprados que prejudicam cada vez mais o governador do estado do Amazonas e apesar de muito alerta, ele ainda não percebeu isso”, pontuou.

Durante a sessão, o deputado Serafim Correia, concordou em ser uma ação desproporcional do Comando da Polícia Militar. “Não o conheço, mas entendo que ele está sendo vítima de uma injustiça, de um ato absolutamente desnecessário e que não soma a absolutamente nada ao contrário, divide, gera desconforto e obviamente consequências para o próprio governador e corporação da polícia militar”, disse.

O tenente-coronel Ubiraja Rosses, possui mais de 28 anos de carreira na Polícia Militar. “Se houve excesso ou ofensa que se faça de forma proporcional dentro daquilo que ele cometeu. E não um ato, aloprado, desproporcional como o Comandante Geral da Polícia Militar está fazendo aqui. Quando há relatório de inteligência que indica o envolvimento de um oficial em tráfico de drogas, ninguém leva pra conselho de justificação, agora quando se crítica o governador do Amazonas querem expulsar um oficial”, finalizou.

Tenente-Coronel Ubirajara Rosses (Foto: Yago Frota/GDC)

Publicações relacionadas

DESUMANO: Barbalho afirma que o Pará não vai receber pacientes do Amazonas com coronavírus

Redação

Bebê indígena venezuelano de dois meses testa positivo para novo coronavírus, em Manaus

Redação

Em carta aberta, Greta Thunberg pede ajuda para combate à Covid-19 no AM

Redação

Deixe uma resposta