Brasil Cultura

O sepultamento do jornalismo da Globo e o amor explicito, sexual e quase maníaco pelo presidente Bolsonaro

“Maníaco” – substantivo masculino Indivíduo possuído de uma mania, hábito repetitivo.

Pois bem, o jornalismo da Rede Globo já foi referência mundial para milhões de pessoas e principalmente para os acadêmicos e muitos dos atuais profissionais do jornalismo e profissionais das comunicações, nas suas diversas áreas de atuações. O que se vê hoje, é uma estado profissional maníaco, repetitivo, lutando diariamente para tentar denegrir a imagem do presidente Jair Messias Bolsonaro.

É Bolsonaro no inicio ao fim em todas as edições de seus telejornais, chegando ao ponto de não ver mais defeito em ninguém nesse Brasil. Nem a “fake news” dá deputada Joice Hasselmann, estranhamente não foi noticiado a fundo, como fez a CNNBrasil e a Record, suas concorrentes. Alias levantando muitas suspeitas nas redes sociais de uma possível parceria entre a deputada e a emissora para derrubar o presidente lógico, enfim.

Parece que a emissora não estava preparada para concorrência política e nem profissional, pois reinou quase que ditatorialmente por décadas em todos os governos anteriores a esse, incluindo os militares que tanto ela crítica. Mamou nas tetas levando milhões do PT com publicidade, como consta nos anais da informação.

O nosso saudoso Roberto Marinho deve está se revirando na sepultura, quem sabe implorando a Deus que ele reencarne logo e possa retomar a direção da emissora.

Coitado da TV Sepultamento ou TV toca terror ou TV vamos te matar de medo todo dia.

Ronaldo Aleixo – Diretor do Portal Chumbo Grosso, desejando os pêsames ao jornalismo que um dia já foi profissional.

Publicações relacionadas

Preso há 41 anos, Geleião, fundador do PCC, pode ficar para sempre na cadeia

Redação

CPI da Saúde na ALE tem semana decisiva

Redação

Bolsonaro não irá apoiar ninguém nas eleições municipais no 1º turno

Redação

Deixe uma resposta