Amazonas Destaques Manaus

O BRASIL DA AMAZÔNIA

Temos vivenciado, há décadas, as discussões internacionais a respeito da sustentabilidade do planeta, e nesse contexto a Amazônia brasileira é um tema recorrente.

A Comunidade Internacional vem pautando nas agendas, que as queimadas na Amazônia, a redução da floresta e a presença de atividades produtivas predatórias são fatores que vem contribuindo para a redução da biodiversidade e dos recursos naturais não renováveis, propiciando o acelerado aquecimento global.

No entanto, é importante destacar que as atividades do agronegócio e da agropecuária, em larga escala, não estão presentes na região amazônica, portanto esse não é o motivo da preocupação.
O Brasil tem sido estrategicamente proativo no agrobusiness em outras regiões do país, mas extremamente ausente nas políticas públicas sustentáveis para a Amazônia.

De acordo com estudos e pesquisas diversas, o que tem contribuído para os elevados impactos negativos na região amazônica brasileira é a presença dos garimpos ilegais, inclusive em terras indígenas. Em julho do ano passado, a BBC News Brasil apresentou imagens de satélite que identificaram esses garimpos nos estados do Pará e Roraima.

Ainda nessa esteira, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE apontou o elevado índice de desmatamento e incêndios na região, o qual projeta a imagem negativa do país diante dos potenciais investidores e dos críticos mundiais.

Se o governo central entende que a Amazônia ainda é inexplorada e que precisa contribuir com o Desenvolvimento e Crescimento Economico do país, porque não adota Programas Estratégicos que sejam economicamente viáveis, socialmente justos e mantenedores da floresta e seus recursos conservados? Isso traria a comunidade internacional para a parceria e permitiria que os investidores olhassem para a região como a oportunidade de ganhar dinheiro mantendo viva a galinha dos ovos de ouro.

Chegou a hora do diálogo entre os cidadãos da Amazônia, os tomadores de decisões nesse país e os interessados em manter a região conservada, a fim de que ocorra efetivamente o desenvolvimento tão almejado nessa região que é maior em dimensões territoriais que o Brasil, e que oferece uma riqueza incomensurável em recursos naturais e minerais, os quais podem ser explorados com base em estudos e planejamento estratégicos.

Sem mais delongas, ou o Brasil reconhece que só é Gigante pela Própria Natureza porque ainda tem a Amazônia e que precisa adotar medidas protetivas (projetos que integrem as suas potencialidades), ou vai ter que se entregar as pressões externas e se curvar aos interesses outros.

Deus salve o Brasil da Amazônia!

Oreni Braga
Mestre em Gestão e Auditoria Ambiental
Especialista em Ecoturismo, Gestão e Planejamento de Parques e Design de Ecolodges

Publicações relacionadas

PIM atinge melhor resultado do ano com 98 mil bicicletas produzidas

Redação

Projeto de Lei de Amom que pune quem promover festas clandestinas avança na CMM

Redação

‘Não sou dos que buscam o caminho mais fácil’, diz Arthur Virgílio sobre resultado das prévias do PSDB

Redação