Amazonas Destaques Manaus

MP-AM denuncia Silas Pedrosa por estelionato e lavagem de dinheiro

Manaus – O empresário Silas de Queiroz Pedrosa é alvo de ação penal do Ministério Público do Amazonas (MP-AM) pela prática dos crimes de estelionato contra entidade de direito público e lavagem de dinheiro. A denúncia, apresentada em 2018, tramita no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e aponta que Pedrosa e os sócios obtiveram de forma ilícita um imóvel da Superintendência Estadual de Habitação (Suhab) de 21,8 mil metros quadrados (m²), no bairro Nova Cidade, na Avenida Margarita, área do HiperDB, causando um prejuízo de R$ 8,4 milhões ao erário.

A denúncia apresentada pelos promotores do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) aponta que  o empresário   atuou junto ao ex-diretor presidente  da Suhab, Robson da Silva Roberto e do ex-diretor-executivo Sidney Robertson Oliveira de Paula para a comprar o terreno vendido de forma irregular, após ser desmembrado em 23 lotes, todos com metragem inferior a mil m² e depois revendido a empregados do Supermercado DB e parentes dos executivos.

Para MP-AM, terreno do DB foi vendido de forma ilegal (Foto: Carlos Gurgel / GDC)

De acordo com o MP-AM, a venda desses lotes de terras contíguos não poderia ter sido efetivada da maneira como foi, por desrespeitar a Lei de Licitações, que determina que a venda de bens imóveis públicos deve ser precedida de licitação, modalidade concorrência; descumpriu legislação estadual que determina que toda venda de bens imóveis públicos com área superior a mil m² deve ser precedida de autorização da Assembleia Legislativa.

A denúncia aponta, ainda, que  toda a tramitação da compra e venda desses lotes se deu em menos de 24 horas, sendo que o requerimento de compra foi protocolado junto à Suhab e, no mesmo dia, passou por sete setores distintos, e que as investigações demonstraram não ser a praxe da autarquia estadual e que medidas foram tomadas para que dois processos do mesmo adquirente não tramitassem juntos e a alienação dos bens em uma triangulação de venda de forma ilícita. De acordo com o MP-AM, em uma mesma data, os lotes foram revendidos praticamente pelo mesmo preço e com a mesma margem de lucro, com valorização de 12% a 13%.

A procuradoria cita, ainda, que logo após essa “operação”, a empresa reunificou os lotes em uma única matrícula, omitindo a qualificação pessoal dos primeiros adquirentes, no qual foi construído um shopping center e um hipermercado no local.

Para o Ministério Público, houve crime  contra entidade de direito público (art. 171, § 3º, CP), bem como alteração de  registro imobiliário como forma de ocultar e dissimular a origem criminosa dos imóveis obtidos por meio fraudulento, com  prática de delitos de lavagem de dinheiro (art. 1º, V, da Lei nº 9.613/98, com a redação anterior à Lei nº 12.683/2012). Como resultado, a denúncia aponta prática de 23 delitos de estelionato majorado e 23 delitos de lavagem de dinheiro.

A reportagem entrou em contato com o empresário Silas por meio do telefone de final 0362 e também por meio do advogado do empresário, João Antônio da Silva Tolentino, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Fonte: D24am. Leia mais em https://d24am.com/amazonas/mp-am-denuncia-silas-pedrosa-por-estelionato-e-lavagem-de-dinheiro/

Publicações relacionadas

Wilson Lima conversa com parlamentares sobre defesa da ZFM e diz que tema será tratado no Fórum de Governadores, em Brasília

Redação

Em nota, prefeitura afirma que não há ilegalidade no processo de Vacinação em Manaus

Redação

Deputados aprovam projeto que garante R$ 11 milhões para a Segurança Pública do Amazonas

Redação

Deixe um comentário