Política

Marcelo Ramos é destituído e afirma que não será omisso aos ataques à ZFM

MANAUS – Destituído da vice-presidência da Câmara dos Deputados por pressão do PL (Partido Liberal), Marcelo Ramos (PSD-AM) afirmou que não é homem de trocar cargo por silêncio.

“Não troco meu dever de defender 19 milhões de brasileiros, sendo 5 milhões de crianças, que passam fome, 12 milhões de brasileiros desempregados, por cargo”, disse em publicação no Twitter.

“Quero dizer que respeito e cumpro a decisão do Ministro Alexandre de Moraes que, não julgou o mérito, mas a incompetência do TSE. Eu sou um democrata e jurei a Constituição, defendo as decisões judiciais até quando discordo delas”, afirmou.

Segundo Marcelo Ramos, “a vice-presidência da Câmara não vale minha omissão aos ataques do governo federal a ZFM, que atingem os empregos dos amazonenses, as escolas dos amazonenses, os hospitais dos amazonenses, a Universidade do Estado do Amazonas, os recursos destinados ao interior do Amazonas”.

Nova eleição, na quarta-feira (25), definirá o novo vice-presidente da Câmara. Também serão escolhidos deputados para outros dois cargos da Mesa Diretora.

Marcelo Ramos se tornou alvo de Jair Bolsonaro ao deixar o PL com a filiação do presidente. O deputado acirrou o embate político ao criticar a edição de decretos sobre a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) que afetam a Zona Franca de Manaus. Bolsonaro pressionou o PL a retirar o amazonense do cargo.

O parlamentar havia recorrido ao TSE. No final de abril, conseguiu uma decisão de Alexandre de Moraes em que o ministro determinava ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) que se abstivesse de acatar qualquer deliberação do PL que buscasse afastar ou substituir o deputado da vice-presidência. O ministro recuou nesta segunda-feira e revogou a própria decisão.

Publicações relacionadas

Por decisão de Moraes, Marcelo Ramos perde vice-presidência da Câmara

Redação

Deputado Roberto Cidade é agraciado com o Título de Cidadão Benemérito de Urucurituba

Redação

Com agenda em Manaus, Bolsonaro deve participar da Marcha para Jesus após convite de evangélicos

Redação

Deixe um comentário