Destaques Brasil

Levantamento identifica ações das indústrias do PIM em meio à Covid-19

Para identificar os impactos econômicos decorrentes da pandemia da Covid-19 no âmbito da Zona Franca de Manaus, a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) realizou, na segunda quinzena de abril, um levantamento de dados junto às empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM) para ter a percepção de como o segmento está agindo diante das recomendações do governo federal, que emitiu medidas emergenciais para dar suporte às empresas mais afetadas. Diante do que foi apurado, a Autarquia identificou que boa parte dos interlocutores consultados utilizou mais de um recurso disponibilizado pelo poder executivo federal, seja para assegurar a manutenção de postos de trabalho, seja para garantir a continuidade de suas atividades.

Numa amostra composta por 75 empresas que responderam à pesquisa da Suframa, dentre as maiores do PIM entre faturamento, investimentos e geração de empregos – o que representa 21% das empresas consultadas -, a maior parte das informações veio do setor Eletroeletrônico, seguido pelos setores de Duas Rodas, Termoplásticos, Químico e de Bens de Informática, alguns dos mais representativos do parque fabril de Manaus.

O levantamento determinou que 21% das empresas optaram por não realizarem nenhum tipo de paralisação em suas atividades no atual momento. Outras 15% das empresas promoveram uma paralisação de 25% em suas atividades. Já um percentual de 25% a 50% das empresas do PIM decidiram paralisar 20% de suas atividades diante do atual cenário de pandemia. Tais dados estão disponíveis no arquivo disponível no site oficial da Suframa, por meio do link (site.suframa.gov.br/noticias/levantamento-identifica-acoes-das-industrias-do-pim-em-meio-a-covid-19/pesquisa-pim.pdf).

Empregos e jornada de trabalho
As respostas enviadas à Suframa também permitiram à Autarquia identificar que 39% das empresas consultadas reduziram proporcionalmente a jornada de trabalho e os salários como forma de reduzir os impactos ocasionados pela crise decorrente do novo coronavírus. Apenas 12% afirmaram ter rescindido contratos de trabalho para o enfrentamento da crise de saúde pública. A maior parte das empresas pesquisadas, 43% do total, declararam não terem adotado medidas emergenciais neste sentido, adotando outras ações para o controle da situação.

As informações denotam que dentre as medidas adotadas pelo governo federal no tocante à MP 944/2020, que concede crédito para a folha de pagamento; a MP 927/2020, que trata da adesão a medidas trabalhistas; e a portaria 139/2020, que prorroga o prazo para o recolhimento de tributos federais (tais como contribuições previdenciárias, PIS e Cofins), esta última teve o maior nível de adesão.

Mais detalhes sobre o levantamento realizado pela Suframa podem ser verificados na Nota Técnica 13/2020 da Coordenação-Geral de Estudos Econômicos e Empresariais da Suframa, disponível em (site.suframa.gov.br/noticias/levantamento-identifica-acoes-das-industrias-do-pim-em-meio-a-covid-19/nt-13-cogec.pdf).

Publicações relacionadas

Menino é resgatado por bombeiros após ficar preso em bueiro por três horas

Redação

LÍDER DO PSOL DENUNCIA BOLSONARO NO CONGRESSO DOS EUA

Redação

Movimento de Direita Advogados Pró Bolsonaro Brasil se reúne com o Deputado Estadual Josué Neto (PRTB)

Redação

Deixe uma resposta