Amazonas Destaques Manaus

Lavanderia presta serviço ao Estado e procurador declara: ‘ainda não recebemos nada’

Manaus – O procurador da empresa Norte Serviços Médicos Eireli, Carlos Henrique Alecrim John, afirmou, durante audiência na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, na tarde desta quarta-feira (1º), que não havia controle de entrada e saída de roupas lavadas no Hospital de Campanha Nilton Lins. Ao todo, a empresa lavou 44 toneladas de roupas, desde o dia 18 de abril.

Aos integrantes da CPI, Carlos Henrique disse que está há cinco à frente da empresa. “Eu sou o procurador desde 2015. Tivemos algumas mudanças de sociedade, mas eu tenho a última procuração. Como sou amigo da família, eu tenho a procuração da empresa”.

O deputado estadual Delegado Péricles (PSL) questionou a atuação de Carlos Henrique na empresa, já que a mesma tem uma única proprietária, e ele como procurador. “Eu tenho total aval, posso gerenciar a empresa toda. Ela (proprietária) já é uma pessoa de idade e me deu total poder”, explicou o empresário. “Eu cuido de tudo da empresa: contratos de compra e venda, funcionários, vejo tudo lá; quem chega cedo e quem chega tarde, tudo que tem que ser visto numa empresa”, concluiu Carlos.

Carlos Henrique afirmou que não havia controle de entrada e saída de roupas lavadas no Hospital de Campanha Nilton Lins (Foto: Anamaria Leventi/Divulgação)

O também deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) questionou sobre o faturamento da empresa. Ele quis saber se após a entrada do procurador na lavanderia, a empresa teve aumento no rendimento. Carlos Henrique informou que houve um aumento nos anos de 2018 e 2019. “Podemos considerar que o (atual) momento da empresa é o melhor até agora, certo?”, perguntou o deputado. O procurador respondeu que “sim!”.

Wilker perguntou ainda qual foi o procedimento para conquistar o contrato junto ao hospital de campanha da Nilton Lins. “Nós recebemos um e-mail da Susam (Secretaria de Estado de Saúde) pedindo uma cotação, inclusive esse e-mail chegou em 8 de abril. No outro dia respondemos com os valores, para a responsável Neide”, detalhou. “Recebemos uma ligação da Susam, no dia 10 do mesmo mês, do setor de compras, informando que a nossa empresa foi a vencedora e ficamos no aguardo. Não recebemos contrato e no dia 17 de abril recebemos uma ligação do senhor Silvio Romão, que marcou uma visita técnica ao hospital de campanha”, completou.

Segundo o procurador da lavanderia, no dia 18 de abril a empresa foi informada que iniciaria os serviços no hospital de campanha da Nilton Lins.

O deputado Wilker Barreto lembrou que, dias atrás, a dona da Sonoar falou a mesma coisa que o procurador e que hoje ela está presa. “O que queremos dizer é que não entendemos por que o processo sai de dispensa de licitação para processo indenizatório? E ai o seu depoimento é que vale. Seus advogados estão aqui e não vou questionar isso, porque nós vamos apurar o checklist dessas informações”, garantiu.

O procurador Carlos Henrique informou ainda que não foi beneficiado em nenhum tipo de processo para atender a unidade de saúde. “O que acontece é que estamos lá há quase 3 meses e ainda não recebemos nada”, declarou Carlos. Ainda de acordo com ele, a empresa não tem contrato formal com a Susam. “Como eu disse, não temos tempo fixo de serviço porque nunca recebemos o contrato. Já enviamos solicitação por e-mail e não obtivemos esse contrato. Também fomos à Susam protocolar esse pedido e até hoje não temos o contrato ”, explicou.

Questionado pelo deputado Delegado Péricles sobre os mais de três mil quilos de roupas lavadas do hospital de campanha da Nilton Lins, o procurador informou que era o volume de peças que havia dentro da unidade de saúde. “Nós entramos dia 18 (de abril) e pegamos a rouparia que já existia de dois hospitais lá: do Hospital da Nilton Lins e do Hospital da Unimed. Foi essa roupa que encontramos lá e lavamos”, contou. O deputado ainda questionou se essa roupa foi utilizada pelos profissionais da unidade, o que foi afirmado pelo procurador.

Rebatendo a resposta de Carlos Henrique, deputado Péricles informou que o secretário executivo falou em depoimento na CPI da Saúde que todas as vestimentas utilizadas foram compradas. “Ele informou que toda essa parte hospitalar foi comprada: roupas, lençóis… Tudo novo. Ele falou que não utilizaram nada do que estava lá”, destacou.

Deputado Péricles indagou também sobre o total de roupas lavadas na unidade de saúde desde o dia 18 de abril. “Mesmo que se lavasse essa quantidade inicialmente, não se lavaria todos os dias, porque o que se percebe é que todos os dias é praticamente a mesma quantidade, de 3,500 kg, com o valor total de 44 toneladas. É como se tivesse diariamente funcionando 400 leitos e se lavando (as roupas) todos os dias, então essa conta não fecha”, ressaltou.

Carlos Henrique revelou aos membros da CPI que não havia nenhum tipo de controle de entrada e saída da quantidade de roupas lavadas no Hospital de Campanha Nilton Lins. O procurador da lavandeira revelou que solicitou a suspensão do contrato com o Governo do Amazonas para realizar serviços de lavagens no hospital de campanha do Estado.

Em vídeo enviado à equipe de reportagem do GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC), o presidente da CPI da Saúde, delegado Péricles, fez um resumo sobre o depoimento de Carlos Henrique e os próximos passos da comissão. “Amanhã (quinta-feira, 2) vamos fazer uma visita de inspeção na lavanderia que prestava serviços ao hospital de campanha (do Estado). Além disso, vamos pedir informações da Receita Federal sobre a empresa”, garantiu.

Publicações relacionadas

Aprovados em concurso do TJAM cobram homologação do resultado

Redação

Polícia prende segundo envolvido na morte de capitão da PM

Redação

Manaus reduz os registros de dengue no mês de abril, segundo dados da Semsa

Redação

Deixe uma resposta