Cotidiano

Irmã de jornalista desaparecido no AM faz apelo a autoridades brasileiras

SÃO PAULO – Sian Phillips, irmã de Dom Phillips, colaborador do jornal Guardian, fez um apelo em vídeo na noite desta segunda-feira (6) para que as autoridades brasileiras façam o possível para localizar o jornalista inglês e Bruno Pereira, membro da ONG Univaja e servidor em licença da Funai (Fundação Nacional do Índio).

Eles viajavam pelo Vale do Javari, no Amazonas, e estão desaparecidos. O último registro dos dois aconteceu na manhã de domingo (5), na comunidade de São Rafael.

“Sabíamos que era um lugar perigoso, mas Dom acredita que é possível proteger a natureza e o sustento dos povos indígenas”, disse a irmã.

Ela pediu que as equipes de buscas percorram as rotas que o jornalista e o indigenista faziam no Amazonas e, emocionada, lembrou que o tempo é fundamental para que os dois sejam encontrados.

“Nós amamos nosso irmão e queremos que ele e seu guia brasileiro sejam encontrados. Cada minuto conta”, afirmou, em vídeo que foi compartilhado pelo marido, Paul Sherwood, no Twitter.

Segundo a Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari) e o Opi (Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato), o indigenista sofria ameaças.

Mais cedo, nesta segunda, a antropóloga Beatriz de Almeida Matos, companheira de Pereira, afirmou à Folha que ele precisa voltar para casa. “Tenho um filho de três anos e um de dois, só penso nesse momento que ele retorne bem, por causa dos meninos. Ele tem também uma filha de 16 anos”, disse.

Ela confirmou as ameaças e pediu todos os esforços possíveis para que os dois sejam encontrados. Beatriz também disse que a rapidez é importante nas buscas.

A Terra Indígena Vale do Javari é frequentemente alvo de invasões de garimpeiros ilegais.

Estão sendo feitas “varreduras no trecho entre a comunidade São Rafael e o município de Atalaia do Norte (AM), onde teria ocorrido o desaparecimento”, diz nota da Procuradoria Geral da República.

Também houve uma reunião entre integrantes do MPF (Ministério Público Federal) do Amazonas, Ministério da Justiça, Polícia Federal, Polícia Civil, Funai, Univaja e Marinha para tratar dos detalhes logísticos da operação daqui em diante.

No início da madrugada desta terça (7), a Unijava informou que recorreu, em conjunto com a Defensoria Pública da União, à Justiça Federal para pedir o uso de helicópteros da Polícia Federal nas buscas dos desaparecidos, a ampliação das equipes e do número de barcos.

“É fundamental ressaltar que a região do Vale do Javari é gigantesca (8.544.00 hectares), de modo que se impõe que as equipes de buscas sejam imediatamente reforçadas não apenas em número de efetivo de pessoal, mas também com a disponibilização de barcos e helicópteros e serviços de inteligência investigativa”, diz o texto da ação civil pública proposta à Justiça.

Em nota, a Marinha informou que na manhã desta terça (7) um helicóptero do 1º Esquadrão de Emprego Geral do Noroeste, duas embarcações e uma moto aquática serão usados nas buscas.

Publicações relacionadas

BRASIL PODE SER O 2º PAÍS MAIS INFECTADO POR CORONAVÍRUS NO MUNDO

Redação

Empresas de ônibus têm prejuízo de R$ 600 mil em decorrência da pandemia do coronavírus, aponta Sinetram

Redação

Governador Wilson Lima antecipa que a Secretaria da Amazônia deverá funcionar no mesmo local da Sema

Redação

Deixe um comentário