Amazonas Destaques Manaus

Hospital de campanha da Prefeitura de Manaus cria ‘crachás acolhedores’ para mostrar sorrisos ocultados pela máscara

Revelar o ser humano por trás das máscaras faciais é a proposta do hospital de campanha municipal Gilberto Novaes com a implantação do projeto “Crachá Acolhedor”. O objetivo da unidade, gerenciada pela Prefeitura de Manaus, em parceria com o grupo Samel e o instituto Transire, é proporcionar a identificação humanizada dos profissionais da unidade, quebrando a distância junto aos pacientes, estabelecida com o uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

Médicos, psicólogos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, assistentes sociais, maqueiros, nutricionistas, auxiliares de limpeza e os diversos integrantes que compõem o quadro do hospital – especializado no tratamento da Covid-19 – começam a receber a identificação, que mostra um dos principais “remédios” para o tratamento contra a doença: o sorriso.

“Não se trata de um crachá qualquer de identificação, mas uma forma de acolhimento, com a foto em tamanho um pouco maior, para que os pacientes, que ficam dentro da cápsula “Vanessa”, nosso método não invasivo, possam conhecer o rosto, o sorriso e a cor do cabelo dos nossos profissionais. A ideia é mostrar que, por trás das máscaras, dos gorros, de todos os EPIs, também existe um ser humano, que está ali se dedicando à vida do outro”, destacou o coordenador do hospital de campanha, Ricardo Nicolau, ressaltando ainda a preocupação do prefeito Arthur Virgílio Neto em tratar com carinho e respeito os profissionais e pacientes do local.

Os crachás acolhedores medem 15 centímetros de altura por 10 centímetros de largura, para facilitar o reconhecimento da fisionomia dos profissionais, que acolhem os pacientes internados, seja direta ou indiretamente. As fotos estampam os sorrisos de cada um dos colaboradores do hospital de campanha, bem como a hashtag “Vai Ficar Tudo bem”, para conceder esperança aos pacientes internados e reduzir a tensão durante este período de combate à Covid-19.

O coordenador do setor de Psicologia, o psicólogo Luigi Mendes, lembrou que a ação é inspirada em outros exemplos semelhantes desenvolvidos pelo mundo, com o objetivo de permitir que os pacientes reconheçam os profissionais que estão prestando o atendimento durante o tratamento hospitalar, que trabalham com uma vestimenta que cobre por completo suas características físicas.

“A partir do reconhecimento, o paciente estabelece um vínculo maior com a equipe e, consequentemente, fica mais receptível ao tratamento clínico. Por conta do próprio tamanho, o crachá reduz a tensão do primeiro contato, possibilitando conversas bem-humoradas no momento da internação. A proposta é humanizar ainda mais o tratamento e fazer com que o paciente sinta alívio e confiança ao conhecer o rosto de quem está cuidando dele, principalmente durante um momento tão difícil”, declara.

Fotos – Cleuton Silva/HCM

Publicações relacionadas

Entrega do complexo viário Ministro Roberto Campos terá novas linhas de ônibus

Redação

Chegada do Papai Noel anima parque da Criança com espetáculo de Natal

Redação

Pagamento em dinheiro em transportes por app será proibido por Lei

Redação

Deixe uma resposta