Amazonas Destaques Manaus

Governo reduz toque de recolher no AM para 19h às 6h; comércio só pode atuar por delivery

O Governo do Amazonas anunciou, nesta sexta (5), que a restrição na circulação de pessoas em todos os municípios será reduzida para 19h às 6h. Além disso, estabelecimentos não essenciais continuam proibidos de abrir, mas podem atuar pelo sistema de delivery (entregas) – veja mais detalhes abaixo.

O governador Wilson Lima anunciou que as medidas de restrição das atividades não essenciais serão prorrogadas a partir de segunda-feira (8). O decreto que determinava o fechamento do comércio e restringia a circulação de pessoas durante as 24 horas do dia valeria até domingo (7).

O novo decreto vale por 7 dias, a partir de segunda (8). Veja o que muda:

  • Circulação de pessoas será restrita de 19h às 6h, com exceção apenas para casos de necessidade;
  • Comércio só pode atuar por meio de delivery, com entregas entre 8h e 17h
  • Restaurantes e bares pode atuar para delivery entre 6h e 22h, e para drive-thru entre 6h e 18h;
  • Lojas de conveniência podem funcionar até 18h, sem consumo no local;
  • Assistência técnica de celulares, eletrodomésticos ou eletrônicos podem atender em domicílio, de 8h às 17h;
  • Serviços de controle de pragas podem atuar de 8h às 17h;
  • Indústrias podem funcionar por 24h, com ajuste de turnos pra não haver deslocamento durante o toque de recolher;
  • Serviços de coleta e entrega para indústria podem funcionar de 6h às 18h;
  • Estão permitidas obras na saúde, indústria, infraestrutura, além de obras emergenciais de reparo em infraestrutura básica, predial ou viária.
https://8fe21983d9d1d2b720ca1d62bfa9e12d.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html?n=0

As medidas de restrição estão em vigor no Amazonas desde o dia 2 de janeiro. O estado vivencia um novo surto da Covid e alcançou, em janeiro, tristes recordes de mortes, novos casos e internações.

O sistema de saúde entrou em colapso, por superlotação e falta de oxigênio, e está enviando pacientes para outros estados para tentar desafogar as unidades de saúde locais. Até esta quinta (4), mais de 8,7 mil pessoas morreram por complicações da Covid no Amazonas.

AM na fase ‘roxa’

https://s.videos.globo.com/p3/amp/index.html?videosIDs=9241801&adUnit=tvg_G1%2FSua_Regiao%3ENorte%3EAmazonas&adCustomData=tvg_pgStr%3Dg1%2Fam%2Famazonas%26ext-bsafety%3Dconteudo+seguro%26advertiser%3Dbbrasil%2Ccoronavirus%2Ccolgate&adCmsId=11413&adAccountId=95377733&ga_productUA=UA-296593-3&ga_extras=%7B%22dimension1%22%3A%22amp%22%7D&domain=g1.globo.com&ambient=amp&origin_url=https%3A%2F%2Fg1.globo.com%2Fam%2Famazonas%2Fnoticia%2F2021%2F02%2F05%2Fgoverno-reduz-toque-de-recolher-no-am-para-19h-as-6h-comercio-so-pode-atuar-por-delivery.ghtml#amp=1

Pazuello depõe à PF em inquérito no qual é investigado por crise sanitária no Amazonas

O governador Wilson Lima informou que o Amazonas continua na fase roxa da pandemia. Isso significa classificação máxima de risco para transmissão de Covid-19.

No Amazonas, há mais de 2 mil pacientes internados com Covid. Há, ainda, mais de 300 pessoas na fila de espera, aguardando por um leito para internação.

Segundo o governo, a flexibilização em algumas medidas acontece diante de uma “desaceleração” na ocorrência de casos Covid-19 no Estado. Segundo o secretário de saúde, Marcellus Campêlo, apesar da taxa de ocupação dos hospitais do Estado estar acima de 90%, há uma tendência de queda nos números.

“Nós já sentimos uma pressão menor nas portas dos hospitais, um fluxo menor de pacientes. Já conseguimos desocupar leitos dos corredores. Isso mostra uma redução”, disse.

Segundo o governo, vão ser colocados mais 81 leitos clínicos e 22 de UTI no hospital Nilton Lins. No Hospital e Pronto Socorro Platão Araújo vão ser ativados 22 leitos de UTI e 8 de sala vermelha para estabilização de pacientes, totalizando 30 leitos naquela unidade, além de leitos nas maternidades, sendo: 5 na Ana Braga; 5 no Instituto da Mulher e Maternidade Dona Lindu, e 10 leitos no Getúlio Vargas.

O Governo afirmou, ainda, que, para solucionar o problema da crise no oxigênio, a estratégia de usinas de produção do produto, além do oxigênio que já sendo fornecido para o estado, a situação deve ficar estável.https://8fe21983d9d1d2b720ca1d62bfa9e12d.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html?n=0

“Estamos utilizando como segurança a instalação de usinas nas unidades onde estamos ativando os leitos. No Delphina será instalada uma usina para a criação de 30 leitos de UTI nos próximos dez dias. Lá também está sendo montada uma segunda enfermaria de campanha para 40 leitos, que também será ativada nos próximos dias”, disse o secretário.

Publicações relacionadas

GESTÃO E TECNOLOGIA

Redação

Chuva provoca deslizamento de terra no KM 127 da AM-010

Redação

Arthur propõe ônibus grátis nas eleições

Redação

Deixe uma resposta