Amazonas Destaques Manaus

Governo atende ordem do STF e envia para a Aleam Projeto de Lei que recoloca delegados na posição de comissários

O governador Wilson Lima (PSC) enviou à Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), em regime de urgência, Projeto de Lei destinado a atender sentença do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou inconstitucional a promoção de 53 comissários para o cargo de delegados, no ano de 2004.
O PL dispõe sobre o remanejamento de 124 vagas da classe inicial de delegado para o cargo de comissário de polícia, a contar de setembro de 2020. Para cumprir a ordem judicial, o governo incluiu no PL a recriação do cargo de comissário, que estava extinto na estrutura administrativa desde 2004, quando eles viraram delegados. Segundo o Projeto de Lei, as vagas de comissário serão extintas progressivamente, por aposentadoria, exoneração, demissão ou morte. A remuneração dos comissários será de R$ 19,4 mil.

Entenda o caso

No ano de 2004 o Estado do Amazonas transformou o cargo de comissário em cargo de delegado, argumentando a necessidade de criação de mais 130 vagas para o cargo de delegado. Eles ficaram no cargo por 11 anos quando, em 2015, o STF julgou inconstitucional a lei estadual, numa ação movida pelo Sindicato dos Delegados do Amazonas (Sindepol).
Os comissários recorreram ao Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e receberam sentença favorável, em 2018.
E no ano passado, o ministro Gilmar Mendes enceerou o assunto destacando que as nomeações descumprem a súmula 43 do STF, que diz que “toda modalidade de provimento pque propicie ao servidor investir-se, sem prévia aprovação em concurso público, em cargo que não integra a carreira na qual anteriormente investido é inconstitucional”.

Publicações relacionadas

Prefeito David Almeida decreta suspensão do feriado do Carnaval de 2021

Redação

Assembleia Legislativa bate record histórico de votação

Redação

Prefeito David Almeida inaugura primeira ‘feira flutuante’ do país, na Manaus Moderna

Redação

Deixe uma resposta