Amazonas Manaus

Fiocruz e Seduc realizam evento de divulgação da 11ª Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente nas escolas da rede estadual

Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) em parceria com a Coordenação Estadual de Educação Ambiental da Secretaria Estadual de Educação do Amazonas (Seduc-AM) promoverá atividades comemorativas ao Dia Nacional da Educação Ambiental (3/06) e ao Dia Mundial do Meio Ambiente (5/06) fazendo a divulgação da 11ª Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (Obsma), da Fiocruz, e do Prêmio Meninas Hoje Cientista Amanhã, nas escolas da rede estadual durante o mês de junho. A programação será aberta no próximo dia 2/06, na Escola Bilíngue Augusto Carneiro, situada ao lado do Parque Jefferson Perez, no Educandos, e que oferece atendimento a alunos com deficiência auditiva e surdos. Este ano, em que se comemora o cinquentenário da Conferência de Estocolmo, a programação terá um caráter inclusivo, reforçando o compromisso da Fiocruz e da Seduc com os objetivos do desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU).

“A Fiocruz estará presente em todas as atividades, fazendo a divulgação das Olimpíadas e convidando as escolas a se inscreverem até o dia 8/07 para participar”, explica a pesquisadora Rita Bacuri, coordenadora regional da Obsma. A Olimpíada é aberta para estudantes de escolas públicas e privadas de todo o País e acontece a cada dois anos com o objetivo fortalecer nos estudantes o desejo de aprender, conhecer, pesquisar, investigar e estimular a realização de trabalhos que contribuam para a melhoria das condições ambientais e de saúde no País. As inscrições podem ser feitas pelo site www.olimpiada.fiocruz, nas categorias Produção de Texto, Projeto de Ciências e Produção Audiovisual. Os trabalhos devem ser inscritos pelos professores devidamente cadastrados.

O biólogo Marcos Pereira, da Coordenação de Educação Ambiental da Seduc, destaca a importância da parceria. “Este ano, há uma conjugação de forças com a parceria da Fiocruz, Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), Olimpíada, Fazenda Esperança no sentido de sensibilizar a sociedade, e, de modo especial, a comunidade acadêmica para a importância de se viver de forma sustentável e em harmonia com a natureza, por meio de mudanças individuais e coletivas, convidando nossas escolas para uma ação transformadora”, afirmou Pereira. A Obsma, voltada aos alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, contribui com essa mudança ao incentivar estudantes a realizarem trabalhos que os aproximem do conhecimento científico, dando visibilidade às atividades pedagógicas de professores e das escolas.

Este ano, o Prêmio Menina Hoje Cientista Amanhã, em homenagem à cientista Maria Deane, vai selecionar um trabalho ou projeto inscrito na Olimpíada que tenha sido desenvolvido por alunas e professoras. “A Fiocruz é comprometida também com a promoção da igualdade de gênero na Ciência, em consonância com as diretrizes da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, e este prêmio incentiva de modo especial carreiras científicas para meninas e jovens mulheres nas áreas de Ciência & Tecnologia”, explica Rita Bacuri. A Obsma está presente em todos os estados brasileiros por meio de suas seis coordenações regionais, responsáveis por organizar, acolher e orientar os participantes.

Durante a programação, serão realizadas atividades de panfletagem, sessão de fotos com o mascote Oswaldinho, da Obsma-Fiocruz, apresentação do prêmio Menina Hoje Cientista Amanhã, com a exibição do vídeo “Maria Deane, Uma Cientista Amazônida”, roda-de-conversa sobre os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e o jogo Tapetão dos ODS. Além da Escola Estadual Augusto Carneiro, serão realizadas atividades no Projeto Prioritário Fazenda Escola, reunindo alunos das escolas estaduais Letício de Campos Dantas, Osmar Pedroso e Dom Milton Correia, em Iranduba (dia 3/06, das 8h às 11h), na Escola Estadual Padre Luís Ruas (6/06, das 13h às 16h), e Escola Sesi Dra Emina Barbosa Mustafa (10/06, à noite).

CRIAÇÃO

A Olimpíada Brasileira da Saúde e Meio Ambiente foi criada pela Fiocruz em 2001 com a proposta de fortalecer nos jovens o desejo de aprender e pesquisar, incentivando a realização de trabalhos que possibilitem que o conhecimento científico se torne próximo do cotidiano escolar. Quanto às modalidades, os trabalhos de produção criativa de textos dizem respeito a redações com duas categorias de participação: Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) e Ensino Médio (incluindo cursos profissionalizantes e Educação de Jovens e Adultos). O texto inscrito nessa modalidade deve ser inédito e original, tendo no máximo 10 páginas. O objetivo é conhecer a capacidade de compreender e expressar as questões ligadas à promoção da saúde e/ou preservação do meio ambiente, conforme a realidade do aluno. O texto pode vir acompanhado de imagem, mas não é obrigatório. Os projetos de Ciências podem ser trabalhos de pesquisa com análise de dados, projetos multidisciplinares e objetos desenvolvidos em estudos realizados em sala de aula. Já para a produção audiovisual podem concorrer vídeos desenvolvidos em sala de aula sobre saúde e meio ambiente.

Desde sua criação, a Obsma já soma 3.620 escolas participantes, 28.500 professores envolvidos, 356 trabalhos premiados, 10.130 trabalhos inscritos, 510 mil estudantes e 3.210 municípios envolvidos.

Publicações relacionadas

Deputado estadual leva relatório da CPI da Saúde para CPI da Pandemia

Redação

Seap cancela o cadastro de oito visitantes no fim de semana

Redação

Secretário sugere que motoristas de aplicativos em Manaus não aceitem corridas para áreas de risco

Redação

Deixe um comentário