Amazonas Destaques Manaus

Família pede R$ 100 mil por troca de corpo, em Manaus

Manaus – Família pede indenização de R$ 100 mil do governo do Estado após troca de corpo de vítima de Covid-19 no Amazonas. O fato ocorreu em setembro do ano passado no Hospital Delphina Aziz quando a unidade liberou o corpo de um homem com mesmo nome para outra família.

Gilberto Pinheiro trabalhava no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Campos Salles e na Fundação Cecon e foi contaminado pelo coronavírus no trabalho. Ele faleceu em decorrência da Covid-19 em 27 de setembro do ano passado.

Após uma semana da morte, o corpo de Gilberto foi encontrado e exumado (Foto: Divulgação / SES)

No processo, a servidora pública Valdilene a Silva narra que o erro do hospital causou danos emocionais aos familiares. “A requerente juntamente com seus familiares dirigiu-se até o hospital para iniciar os trâmites para liberação do corpo para sepultamento. Por volta das 7h, os familiares conseguiram falar com funcionários do hospital para seguir o processo de liberação do corpo junto à funerária, no entanto, a informação repassada era de que não tinha maqueiro no momento ou que ele estava em outra ocorrência e que ‘eles iriam ter que esperar, pois o falecido era só mais um que morreu de Covid e não era prioridade para o hospital’ depois de horas aguardando uma resposta, uma assistente social junto com uma psicóloga chamou os familiares para informar que “uma pessoa de outra família que o paciente também se chamava Gilberto, chegou e retirou o corpo”.

Na ação é citado que a irmã da vítima “entrou em desespero, desmaiou, precisou ser amparada pelo seu filho mais novo, sua nora e sua irmã que estavam no momento, em nenhum momento o hospital prestou qualquer auxílio para uma mãe que recebia a notícia de que o corpo de seu filho havia sido entregue à outra família”.

Em outro item da ação, é informado que a Secretaria de Estado de Saúde foi negligente com o caso. “O requerido em nenhum momento se posicionou na tentativa de localizar o corpo do filho da requerente, a família precisou recorrer à tutela jurisdicional para ter o corpo de seu ente querido encontrado”.

Na época, a secretaria emitiu nota oficial informando que “aguarda apenas notificação oficial da Justiça para realizar a exumação do corpo do enfermeiro Gilberto Pinheiro da Silva, morto por Covid-19 no Hospital Delphina Aziz e entregue aos familiares de outro paciente de mesmo nome, por equivoco da unidade, administrada pelo Instituto Nacional de Desenvolvimento Humano (INDSH). Ainda no domingo a direção da unidade, após identificar a troca, atuou para a resolução do caso, tratando a questão com as duas famílias envolvidas, segundo o governo”.

Após uma semana em 1º de outubro de 2020, o corpo de Gilberto foi encontrado e exumado, posteriormente encaminhado à Perícia Técnica do IML e só então entregue à família.

Fonte: D24am. Leia mais em https://d24am.com/amazonas/familia-pede-r-100-mil-por-troca-de-corpo-em-manaus/

Publicações relacionadas

São Paulo no ataque contra a Zona Franca de Manaus, Fiesp quer limitar produção das empresas da ZFM

Redação

MPAM exige uso do ‘Guardião’ na estrutura da PC

Redação

Comandante do Exército diz que cloroquina recuperou ‘milhares de integrantes da família verde-oliva’

Redação

Deixe uma resposta