Amazonas Destaques Manaus

Família e amigos de amazonense de 15 anos assassinada na Holanda fazem protesto em Manaus

Familiares e amigos da amazonense Alice Vitória Oliveira de Albuquerque, de 15 anos, assassinada em Rotterdam, na Holanda, realizaram um protesto em Manaus, neste domingo (16), para pedir ajuda para trazer o corpo da jovem para a capital. A adolescente foi morta com uma facada, na quarta-feira (12), e uma colega de 16 anos é suspeita do crime.

Segundo o tio de Alice, Edvar Albuquerque, a família busca apoio do Ministério das Relações Exteriores e do Consulado do Brasil nos Países Baixos, para ajudar no custeio do translado.

“Essa reivindicação é para ver se conseguimos o translado do corpo. Queremos pedir o apoio do Itamaraty e do Consulado pra fazer essa remoção. Estamos sofrendo cada dia mais e pedimos justiça. Tanto do Brasil quanto de lá da Holanda. Orçamos o valor do translado em mais ou menos R$ 50 mil e queremos a ajuda das autoridades”, disse.

Familiares e amigos da jovem realizaram ato em Manaus, neste domingo (16). — Foto: Matheus Castro/G1 AM

Familiares e amigos da jovem realizaram ato em Manaus, neste domingo (16). — Foto: Matheus Castro/G1 AM

G1 buscou um posicionamento do Ministério das Relações Exteriores, mas, até a publicação desta matéria, não obteve retorno. Na sexta-feira (14), em nota, o órgão informou, por meio do Consulado Geral do Brasil em Amsterdã, que presta toda assistência legal e materialmente possível aos cidadãos brasileiros, respeitando-se os tratados internacionais vigentes e a legislação local.

Edvar também falou sobre os planos que Alice tinha. Ao G1, ele contou que a jovem era uma estudante exemplar, queria ser advogada e era um exemplo para toda a família.

“Ela era muito estudiosa, falava cinco idiomas, ela ia se formar com 16 anos e tinhas muitos sonhos. Queria ser advogada. Tenho certeza de que ela seria uma grande referência para a família”, contou.

Alice tinha 15 anos e morava há seis anos na Holanda com a mãe e o padrasto, segundo família. — Foto: Arquivo Pessoal

Alice tinha 15 anos e morava há seis anos na Holanda com a mãe e o padrasto, segundo família. — Foto: Arquivo Pessoal

A tia Ednelza Albuquerque também ficou bastante emocionada com as homenagens a sobrinha. Ela falou que considerava Alice como uma filha e que já a esperava para o Natal deste ano.

“Elas sempre vinham para cá no Natal e nós já estávamos aguardando. Era como se fosse uma filha pra mim e a minha filha era como se fosse uma filha pra mãe dela. E a gente conversava sempre, ela sempre me ligava. Eu ainda não estou acreditando”, contou.

No ato, os familiares de Alice carregaram faixas e cartazes com fotos da jovem. Eles também gritaram palavras de ordem, como, “Tragam a Alice”, “Queremos ver a Alice”. Ao final, orações e cantos foram entoados em homenagem.

Ato foi realizado neste domingo (16), em frente ao Teatro Amazonas, em Manaus. — Foto: Matheus Castro/G1 AM

Ato foi realizado neste domingo (16), em frente ao Teatro Amazonas, em Manaus. — Foto: Matheus Castro/G1 AM

Crime brutal na Holanda

Alice Vitória Oliveira de Albuquerque, de 15 anos, foi assassinada com uma facada na nuca, na quarta-feira (12), no estado de Rotterdam, na Holanda. A menina morava no País com a mãe e o padrasto há seis anos.

Segundo a família, uma amiga de 16 anos é suspeita de cometer o crime. Além da jovem, acusada de ser a autora do crime, a mãe e as duas irmãs mais velhas da suspeita também foram presas.

“[Os jornais] falam isso, que ela estaria apaixonada e que a Alice teria rejeitado, porque a Alice só queria a amizade dessa menina e nada mais. A minha irmã (mãe da adolescente) não gostava dessa amizade. Nunca gostou. E se soubesse que ela ia até a casa dessa menina, certamente não teria deixado”, disse a tia da menina, Edgelly Albuquerque ao G1.

Na sexta-feira (14), familiares e amigos de Alice fizeram um protesto na cidade de Rotterdam, pedindo Justiça. Uma live em uma rede social mostrou o grupo, que aproveitou a oportunidade para homenagear a jovem e consolar a mãe.

Publicações relacionadas

Justiça condena Amazonas Energia por apagão de 2017

Redação

“Manaus está com muita dificuldade. Falta gestão”, afirma ministro Mandetta

Redação

Sikêra Jr alerta a população a não acreditar no Pânico que a Globo e outras mídias propagam, veja

Redação

Deixe uma resposta