Amazonas Destaques Manaus

Equipe de Trump entra com recurso para anular votação da Pensilvânia

A equipe de campanha do presidente Trump entrou com um recurso para a Suprema Corte dos Estados Unidos, neste domingo (21) pedindo-lhe que revertesse vários casos da Suprema Corte da Pensilvânia para mudar a lei de votação por correspondência do estado antes e depois da eleição presidencial de 2020.

A campanha do presidente alegou em um comunicado que a mudança da lei pela Suprema Corte do Estado da Pensilvânia foi uma violação do Artigo II da Constituição dos EUA e de Bush v. Gore. 

A petição cita um “caso da Pensilvânia relacionado” em que o juiz Samuel Alito e dois outros juízes observaram a constitucionalidade da decisão do tribunal estadual de estender o prazo legal para recebimento de cédulas de correio das 20h00 do dia da eleição às 17h00, três dias depois. 

A equipe de campanha disse que a constitucionalidade da decisão do tribunal tem “importância nacional” e pode violar a Constituição dos Estados Unidos. 

A petição marca o último episódio de uma saga contínua de ações judiciais movidas pela campanha de Trump que desafiava o resultado da eleição presidencial de 2020. Trump ainda se recusa a ceder e continua a promover alegações de que houve uma grande fraude eleitoral. 

Eleitores em 50 estados e no Distrito de Columbia, na semana passada votaram , formalizando de Joe Biden vitória sobre Trump. De acordo com os resultados da eleição, Biden superou Trump por uma margem de contagem do Colégio Eleitoral de 306-232. 

A petição da campanha de Trump à Suprema Corte pede uma revisão acelerada e resposta até quinta-feira, dando tempo suficiente antes que o Congresso se reúna em janeiro para “considerar os votos do Colégio Eleitoral”. 

Se a Suprema Corte dos Estados Unidos aceitar o caso da campanha de Trump contra a Pensilvânia, não é certo que isso teria um impacto fundamental na certificação do Colégio Eleitoral no Congresso. 

A nova Câmara dos Representantes e o Senado dos Estados Unidos se reunirão em 6 de janeiro para se reunir em uma Sessão Conjunta do Congresso para certificar os resultados do Colégio Eleitoral. Qualquer desafio à certificação exigiria uma votação da Câmara e do Senado para rejeitar os votos eleitorais de um estado. 

Com informações Chad Pergram, da Fox News

Publicações relacionadas

Vacinação para pessoas com qualquer comorbidade inicia nesta segunda-feira

Redação

Itacoatiara começa a vacinar contra o COVID-19, primeiro vacinado é indígena.

Redação

MEC vai abrir consulta sobre data do Enem 2020

Redação

Deixe uma resposta