Amazonas Destaques Manaus

Deputado critica interferência do Governo do AM na ALE

Manaus – O deputado estadual Fausto Jr. (PRTB) lamentou, nesta quinta-feira (10), o conflito entre os Poderes Executivo e Legislativo do Amazonas, que tem gerado ataques aos deputados estaduais que integram o grupo de oposição ao governo do Estado.

Fausto Jr. usou a tribuna da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) para ressaltar que só existe democracia quando há independência e respeito entre os Poderes. “Hoje vivemos uma crise política. Temos um Poder que deseja dominar os outros Poderes”, afirmou Fausto.
“Por mais que o Poder Executivo queira dominar os outros Poderes, isso não funciona. Não digo isso como um ataque ao governo, mas como uma crítica construtiva”, destacou.

O parlamentar também denunciou os ataques sofridos pelos deputados que fazem oposição do governo do Estado

Fausto afirmou que no dia que o Executivo perceber que os três Poderes são independentes, a relação entre ambos será melhor. “Na política é comum as pessoas terem pontos de vista diferentes, mas o importante é saber os limites e respeitar o outro lado”, disse Fausto.

“Quando esses limites e a autonomia não são respeitados, quebra-se a estabilidade e todos saem prejudicados”, acrescentou o deputado, referindo-se à interferência do governo do Estado na eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa.

Fausto Jr. também denunciou os ataques sofridos pelos deputados que fazem oposição do governo do Estado. Segundo o parlamentar, os portais de notícias, jornais e outros veículos de comunicação que recebem verba publicitária do governo, fazem “ataques covardes” aos deputados que denunciam irregularidades no Executivo Estadual.

“São ataques que distanciam ainda mais os Poderes e acabam com a harmonia que deveria existir”, completou Fausto Jr.

Perseguição
Nesta quinta, o deputado estadual Dermilson Chagas (Podemos) se indignou com a notícia de que o Governo do Amazonas, na figura de seu Wilson Lima, está transferindo os delegados da polícia civil Costa e Silva e João Tayah, por terem participado de chapas que não faziam parte do grupo político do governador para disputar a prefeitura e a Câmara Municipal de Manaus. “Infelizmente não é de hoje que o governador persegue classes de servidores públicos que não são a favor de seu grupo ou de suas medidas e posicionamentos. Foi assim com os professores e com os profissionais de saúde. É revoltante”, disse.

O parlamentar ainda lembrou que também já foi vítima de perseguição por não se aliar com o grupo corrupto liderado pelo governador.

Publicações relacionadas

Filho de Arlindo Junior se torna levantador de toadas do Boi Bumbá Caprichoso

Redação

MPC pede explicação de dispensa da Susam

Redação

Reeducandos do Amazonas fazem a prova do Enem

Redação

Deixe uma resposta