Amazonas Destaques Manaus

Deputado critica interferência do Governo do AM na ALE

Manaus – O deputado estadual Fausto Jr. (PRTB) lamentou, nesta quinta-feira (10), o conflito entre os Poderes Executivo e Legislativo do Amazonas, que tem gerado ataques aos deputados estaduais que integram o grupo de oposição ao governo do Estado.

Fausto Jr. usou a tribuna da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) para ressaltar que só existe democracia quando há independência e respeito entre os Poderes. “Hoje vivemos uma crise política. Temos um Poder que deseja dominar os outros Poderes”, afirmou Fausto.
“Por mais que o Poder Executivo queira dominar os outros Poderes, isso não funciona. Não digo isso como um ataque ao governo, mas como uma crítica construtiva”, destacou.

O parlamentar também denunciou os ataques sofridos pelos deputados que fazem oposição do governo do Estado

Fausto afirmou que no dia que o Executivo perceber que os três Poderes são independentes, a relação entre ambos será melhor. “Na política é comum as pessoas terem pontos de vista diferentes, mas o importante é saber os limites e respeitar o outro lado”, disse Fausto.

“Quando esses limites e a autonomia não são respeitados, quebra-se a estabilidade e todos saem prejudicados”, acrescentou o deputado, referindo-se à interferência do governo do Estado na eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa.

Fausto Jr. também denunciou os ataques sofridos pelos deputados que fazem oposição do governo do Estado. Segundo o parlamentar, os portais de notícias, jornais e outros veículos de comunicação que recebem verba publicitária do governo, fazem “ataques covardes” aos deputados que denunciam irregularidades no Executivo Estadual.

“São ataques que distanciam ainda mais os Poderes e acabam com a harmonia que deveria existir”, completou Fausto Jr.

Perseguição
Nesta quinta, o deputado estadual Dermilson Chagas (Podemos) se indignou com a notícia de que o Governo do Amazonas, na figura de seu Wilson Lima, está transferindo os delegados da polícia civil Costa e Silva e João Tayah, por terem participado de chapas que não faziam parte do grupo político do governador para disputar a prefeitura e a Câmara Municipal de Manaus. “Infelizmente não é de hoje que o governador persegue classes de servidores públicos que não são a favor de seu grupo ou de suas medidas e posicionamentos. Foi assim com os professores e com os profissionais de saúde. É revoltante”, disse.

O parlamentar ainda lembrou que também já foi vítima de perseguição por não se aliar com o grupo corrupto liderado pelo governador.

Publicações relacionadas

Em um dia, fiscalização ambiental enfrenta três invasões em Manaus

Redação

Biden ganha vantagem sobre Trump e aposta em votos enviados pelos Correios

Redação

Assembleia Legislativa cancela recesso e trabalhos vão continuar até dezembro

Redação

Deixe uma resposta