Amazonas Destaques Manaus

Coreanas desobedecem ‘estado de calamidade’ decretado pelo Governo do Estado

As fábricas do Polo Industrial de Manaus (PIM) não estão se preocupando com o estado de calamidade pública, decretado pelas autoridades estaduais, municipais e instituições de saúde do Amazonas. Elas desobedecem as determinações do governo para conter o Covid-19, no Estado.O alerta foi dado pelo presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Valdemir Santana, que sugere ao Governo do Estado e à Prefeitura de Manaus, fiscalizarem as condições e o risco de contaminação dos trabalhadores com o coronavírus – Covid-19, dentro das fábricas.De acordo com Santana, principalmente as fábricas coreanas, que estão desobedecendo o alerta nacional sobre a transmissão do coronavírus. “Eles ainda mantem trabalhadores nas linhas de montagem a 20 centímetros de distância um do outro, quando a recomendação do Ministério da Saúde é que se mantenha uma distância segura de pelo menos um 01 Metro, para evitar a transmissão do vírus”, justifica.

O transporte dos trabalhadores é outro fator de risco levantado pelo presidente dos Metalúrgicos. “A aglomeração nos transporte é inevitável e tem que ser observada como motivo de alto risco para os trabalhadores”, aponta.

Valdemir disse que a partir dessa segunda feira (23), a diretoria do Sindimetal vai pedir reuniões com os diretores regionais dessas fábricas (os principais diretores estão na Coréia, China, Japão e outros Países), para sugerir que eles deem férias coletivas aos trabalhadores até que passe o risco maior de estrangulamento da saúde no Brasil, que segundo o Ministro da Saúde, Henrique Mandetta, acontecerá no início de abril. Isso se não mantiver os cuidados sugeridos pelos governos estaduais.PatronalValdemir afirma que os coreanos tem que modificar o processo produtivo deles. “A fabricante General Motors Brasil já liberou seus funcionários, porque os coreanos do Amazonas não podem liberar?”, questiona.ReuniãoAmanhã o sindicato dos trabalhadores vai chamar uma reunião com o sindicato patronal para expor a necessidade de tomadas de medidas urgentes e importantes, tanto para ampliar o espaço entre trabalhadores acima dos 20 cm atuais, como oferecer produtos de proteção além do álcool gel, na entrada da fábrica. Mas, principalmente, as férias coletivas até que se passe o risco.Alerta mundialO mundo está em alerta, com o Governo do Estado, a Prefeitura de Manaus, a Assembléia Legislativa, a Câmara de Vereadores e várias instituições amazonenses tomando medidas sérias e necessárias para contenção do coronavírus, mas as fábricas do Polo Distrito Industrial (PIM), principalmente as Coreanas, não estão ‘movendo uma palha’, para contribuir com as autoridades.

Publicações relacionadas

Nova pesquisa mostra que Amazonino venceria adversários nos dois turnos

Redação

Homem é executado a tiros enquanto soltava pipa com o filho, no Tarumã

Redação

Pré-candidatos correm em busca de marqueteiros e produtoras

Redação

Deixe uma resposta