Amazonas Destaques Manaus

Considerada morta, amazonense vence coronavírus após 26 dias internada

“Perdi a fala, depois a memória. Os médicos informaram à minha família que apenas 20% dos meus órgãos funcionavam. Estava considerada morta”

O relato é da assistente social, Lucivane Pimentel. Aos 41 anos, ela venceu o novo coronavírus (covid-19) e pode afirmar que ganhou uma segunda chance de vida.

Em entrevista ao BNC Amazonas, Lucivane conta os detalhes dos dias na UTI e da angústia de ser contaminada pela doença que já matou 649 pessoas no Amazonas até este momento, e infectou mais de 8 mil.

Parada cardíaca

Natural de Barreirinha (a 330 km de Manaus), Lucivane mora em Manaus desde a adolescência. Aqui, já se formou em Assistência Social e estuda Direito.

Os primeiros sintomas do coronavírus, lembra ela, começaram no fim de março.

“Tosse, falta de ar e dor no peito. Me isolei para proteger minha família. Os sintomas se agravaram em uma semana. Foi quando procurei a UBS do Coroado. Pensei que ia e voltaria logo pra casa. Mas fui direto pro oxigênio”, conta.

Em seguida, a assistente social foi transferida para o Hospital Delphina Aziz, onde ficou em observação, a partir do início de abril.

“Fui jantar. Me engasguei e tive uma parada cardíaca. Lembro de já ter acordado na UTI. Entrei em desespero. Afinal, ali é um lugar que ninguém queria estar. Só pensava nos meus filhos e no meu marido”, relata.

Cloroquina

Foram 15 dias na UTI. Conforme o tempo passava, os médicos viam a vida de Lucivane se aproximando do fim com o avanço rápido do coronavírus.

“Perdi a memória, depois a fala. Os médicos informaram à minha família que apenas 20% dos meus órgãos funcionavam. Estava considerada morta”, relata.

Leia mais 

Prefeito de Manaus vê “lockdown” como medida “extrema e arriscada”

Os médicos pediram autorização para fazer o tratamento com cloroquina, protocolo utilizado para pacientes em estado grave e crítico.

“A gente não dá esperança, mas é um recurso que vamos tentar”, avisaram os profissionais de saúde.

O tratamento começou. Ao mesmo tempo, a medicação contra uma bactéria no pâncreas também surtiu efeito. Os órgãos de Lucivane começaram a reagir. Era a vida retornando.

“Atribuo a cura a Deus que tem um propósito em nossas vidas. Agradeço as orações dos meus amigos e familiares, a dedicação dos médicos, enfermeiros e técnicos do  Hospital Delphina Aziz”.

Condomínio em êxtase  

Lucivane voltou pra casa nesta terça-feira, dia 5.

O condomínio onde mora, no bairro Aleixo, parou para homenageá-la.

Publicações relacionadas

Adolescente de 15 anos tem parto de emergência em frente a supermercado no interior do AM

Redação

Reforma do Centro de Zoonoses será entregue no primeiro semestre de 2020

Redação

‘Estou na luta para ganhar’, afirma Arthur Virgílio em entrevista para rádio paulista

Redação