Amazonas Destaques Manaus

Com 90 dias de gestão, planejamento urbano tem aumento de eficiência e programa ousado

Eficiência, resiliência, reconversão e planejamento são diretrizes de gestão e urbanismo das metas de destaque do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb) para os 100 dias de governo do prefeito David Almeida. Com um corpo técnico valoroso e ajustes na máquina, nos três primeiros meses de 2021 o instituto conseguiu aumentar a eficiência na liberação de projetos, empreendimentos, certidões de Habite-se e regularizações, além de praticamente triplicar, de janeiro a março, a arrecadação do órgão.

“Isso é um ganho de eficiência e financeiro inicialmente previsto e atingido. Temos outros projetos em andamento, como os futuros Planos de Proteção das Margens e Cursos D’água, indispensáveis para a gestão ambiental e dos recursos hídricos da capital, e o de Alinhamento e Passeio, fundamental para o futuro da mobilidade”, explica o diretor-presidente do órgão, engenheiro Carlos Valente.

Entre os programas, destaque para o “Nosso Centro”, que reúne o esforço concentrado hoje na Comissão Técnica para Implementação e Revitalização do Centro Histórico de Manaus, criada pelo decreto 5.034, de 11/3, pelo prefeito.

A comissão, com 12 membros, não é remunerada e conta com diretores, gestores e técnicos com expertise no tema do Implurb, Secretarias Municipais de Finanças e Tecnologia da Informação (Semef) e do Trabalho, Empreendedorismo e Inovação (Semtepi), além da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult).

Revitalização

“O prefeito vai expor à sociedade um programa arrojado de revitalização e resgate econômico do Centro, envolvendo ações de economia, turismo, história, empreendedorismo, cultura e habitação. Será um programa a ser desenvolvido ao longo dos quatro anos de governo do prefeito David Almeida e um divisor de águas”, adianta o diretor-presidente.

Para Carlos Valente, 100 dias passam rápido e ao passar rápido é mais um sintoma de se estar trabalhando muito.

“Não ficamos um dia parados, com o devido distanciamento e os cuidados e respeito às normas de combate à pandemia, mas prontos para resolver problemas dos cidadãos, buscando agilidade, celeridade, eficiência, e gestão com indicadores de produtividade, que irão colocar a cidade em um patamar que o prefeito nos determinou”.

Nosso Centro

Com 90 dias de gestão, o Implurb e os parceiros do “Nosso Centro” avançam na condução do masterplan, que vai permitir detalhar especificidades para usos no centro histórico e antigo, já consolidado como belo patrimônio arquitetônico e cultural. Pensando nesse conjunto, o programa nasceu e se foca em três grandes eixos: “Mais Vida”, “Mais Negócios” e “Mais História”.

O alinhamento com as secretarias visa potencializar ações planejadas e receber não apenas validação, como propostas e soluções, tendo como base o cinturão da Ilha de São Vicente até a Manaus Moderna, incluindo eixos urbanos como as avenidas Sete de Setembro e a Getúlio Vargas, uma das mais arborizadas da região.

“Tivemos uma apresentação para o prefeito, vice-prefeito e secretários, da proposta de planejamento para o Centro, e foi muito bem recebida. Agora estamos na fase de detalhamento com planejamento mais específico, identificando todas as ações por lotes e conjuntos temáticos, de forma que possa distribuir o cronograma no decorrer da gestão, dentro da preocupação orçamentária da prefeitura e de quem vai competir a ação”, explicou o vice-presidente do instituto, arquiteto e urbanista Claudemir Andrade.

Estratégias

Para o diretor de Planejamento, arquiteto e urbanista Pedro Paulo Cordeiro, o “Nosso Centro” tem uma série de ações para revitalização da área central e as reuniões semanais do comitê trabalham no alinhamento de ações entre órgãos, incluindo o Instituto Nacional de Patrimônio Histórico (Iphan-AM).

“Estamos alinhando, junto à Procuradoria Geral do Município (PGM), para montar estratégias de solução para imóveis abandonados, de interesse do patrimônio, incluindo desapropriações futuras, para implantação de habitação de interesse social e habitação multiuso, com comércio e serviços juntos”, fala Pedro Paulo.

No plano habitacional para o Centro estão previstas possibilidades como reconversão de diversos prédios abandonados e a própria mudança de uso, com tipologias desde vilas até prédios de seis a oito pavimentos e grandes complexos.

“A ideia é baseada nos grandes eixos e para mudar a lógica urbana do Centro, que hoje é monofuncional. Tem horário para abrir e para fechar. Com o componente habitação, a lógica acaba mudando, inclusive atraindo novos negócios que atenderão aos moradores e comerciantes de padarias, salões, academias, entre outros”.

Ocupação

Uma das estratégias do “Nosso Centro” é tornar o espaço atrativo para novos moradores, de vários níveis sociais e econômicos, e especialmente na habitação de interesse social. Um dos usos propostos é transformar em Áreas de Especial Interesse Social (Aeis), imóveis, prédios e quadras subutilizados e em degradação e que podem ser reconvertidos em projetos habitacionais criativos.

“Estamos prevendo habitação para todas as rendas, com espaços públicos qualificados, paisagismo diferenciado e com atenção ao socioambiental. Existe uma desigualdade social imensa e os invisíveis, portanto, é preciso dar uma solução para esse grupo em vulnerabilidade social”, disse Pedro Paulo.

— — —

Texto – Claudia do Valle / Implurb

Foto – Arquivo / Semcom

Publicações relacionadas

Secretário sugere que motoristas de aplicativos em Manaus não aceitem corridas para áreas de risco

Redação

Serviço de urgência da prefeitura treina profissionais para atendimento de pacientes com Covid-19

Redação

Após estudo, economista afirma que ZFM precisa ser renovada para sobreviver à reforma tributária

Redação