Amazonas Destaques Manaus

Coletivos femininos dão dicas de como se proteger de assédio no Carnaval

Comissão feminina se organiza contra assédio no carnaval dos blocos de rua. — Foto: TV Globo/Reprodução
Comissão feminina se organiza contra assédio no carnaval dos blocos de rua. — Foto: TV Globo/Reprodução

Comissão feminina se organiza contra assédio no carnaval dos blocos de rua. — Foto: TV Globo/Reprodução

No período carnavalesco, nem tudo é festa e folia, principalmente para as mulheres, que ficam expostas ao assédio e à violência durante eventos e blocos típicos do período festivo. Saiba o que fazer caso passe por situações como essas!

Quem já passou por isso, relembra com revolta a sensação de impotência diante do ocorrido, como a estudante de Jornalismo Gabriela Diniz*. Ela foi assediada por uma pessoa que fazia parte do seu círculo de amizades.

“Bateram na minha bunda uma vez durante um bloquinho. Eu estava dançando na rodinha já formada. E do nada, ele largou o tapão na minha bunda. Eu virei e falei “Tá doido !?” Meu namorado quase foi para cima dele, mas eu não deixei e ele ainda pediu desculpas. Pediu desculpas ao meu namorado, mas não para mim. Não denunciei, mas me sentir invadida. Não é porque eu estou de short curto e dançando que isso dá o direito de alguém vir me dar um tapa”, contou.

Mais do que sentir-se vulnerável enquanto mulher, a educadora Lindalva Monteiro* contou que se sentiu duplamente oprimida, por conta da sua orientação sexual.

“Enquanto eu ia em busca do banheiro, um cara veio atrás de mim, segurou minha cintura e pegou na minha bunda com certa força. Eu virei e larguei o tapa nele. Senti raiva. Eles fazem e acham que a gente vai aceitar e ponto. Acham que se estamos ali, estamos disponíveis. Parece que vêem as pessoas como objetos e que no carnaval tudo pode, tudo vale. Isso para mim não é só assédio, é um confronto contra minha orientação sexual, o preconceito e achar que tem a solução”, lamentou.

De acordo com o ministério da Saúde, a cada quatro minutos uma mulher é agredida no Brasil. Os dados mostram ainda que em 2018 foram registrados mais de 145 mil casos de violência (física, sexual e psicológica) em que as vítimas sobreviveram.

No carnaval, esses números tendem a aumentar, segundo ativistas de movimentos feministas e organizações de apoio à mulher. Pensando em reduzir esses índices, campanhas já foram criadas em todo o país, como a “Não é Não”, ação criado em 2017 contra a importunação sexual no período da folia por um coletivo de mulheres.

Além disso, alguns cuidados são repassados pela produtora cultural e ativista feminista Michelle Andrews. Segundo ela, toda atenção é necessária.

“Sempre buscar atividades culturais que estejam legalizadas, que tenham policiamento, que o produtor cultural desse bloquinho seja consciente, pois caso aconteça algum assédio e essa mulher precise buscar ajuda, ela encontre pessoas sensibilizadas que entendam e fiquem do lado dela”.

Outras dicas básicas, ainda de acordo com Michelle, são: beber muita água, anotar em um papel números de telefone de pessoas conhecidas, para o caso de o celular descarregar ou se perder.

“Caso aconteça algo nesse sentido. Andar em grupos, verificar se o evento tem policiamento, para não ficar vulnerável. É um pouco chato a mulher precisar estar sempre pensando na sua segurança, mas infelizmente vivemos em um país com altos índices de violência contra a mulher”, resumiu.

Publicações relacionadas

Wilson Lima (PSC) acaba de anunciar a retomada do comércio a partir do dia 1º. de junho

Redação

Confira as lives da “Agenda Virtual” desta semana no Amazonas

Redação

Imunidade cruzada pode explicar queda do coronavírus em Manaus

Redação

Deixe uma resposta