Amazonas Destaques Manaus

Carlos Almeida entra na Justiça contra Wilson Lima

Manaus –  Uma ação na Justiça Estadual escancara as divergências e disputa política na cúpula do governo do Amazonas. Na última sexta-feira (4), o vice-governador Carlos Almeida Filho ingressou com um mandado de segurança contra o governador Wilson Lima, por este ter “esvaziado” a vice-governadoria, ao exonerar auxiliares próximos de Carlos Almeida, e ainda remanejar os cargos para a Casa Civil do Estado.

Em momento de crise da Saúde e denúncias envolvendo gestores púbicos do governo, a disputa no Executivo Estadual tende a causar ainda mais instabilidade na gestão Wilson Lima.

No processo, o vice-governador pede que a Justiça suspenda os efeitos dos Decretos Governamentais de nº 42.606/2020 e nº 42.691/2020, a fim de que seja restituído o cargo de secretário geral da vice-governadoria e demais cargos de assessoria que totalizam nove comissionados.

Em ataque direto ao governador, o vice chamou a ação de Wilson Lima de ato antidemocrático e ilegal.
“O ato do Governador do Estado violou diretamente o disposto na legislação, na medida em que realocou, através de decreto, o secretário-geral da vice-governadoria para a Casa Civil, sendo que em literalidade da legislação, tal cargo é de confiança e exclusivamente o vice-governador possui o escopo de assessorá-lo, não cabendo ao Chefe do Executivo Estadual por mera liberalidade retirar tal cargo”, consta no processo.

Ainda no mandado, Carlos Almeida afirma que o processo deve ter rapidez em seu julgamento sob risco de causar danos. “A demora na concessão da tutela provisória de urgência irá causar danos irreparáveis para o Impetrante, pois a manutenção do decreto evidentemente ilegal prejudica a organização do poder executivo como um todo, assim como a autonomia da vice-governadoria, o que é um atentado à democracia”.

E continua citando que “o desfalque causado por diversos assessores (incluindo o principal deles) causa um grave dano ao erário, na medida em que havendo a redução de pessoal, a administração não se dá na sua devida forma, o que acarreta ônus ao Estado, assim como uma afronta direta à democracia”.

Por fim, o vice-governador solicita a “concessão do Mandado de Segurança de forma liminar de modo a sustar os efeitos dos Decretos Governamentais de nº 42.606/2020 e nº 42.691/2020, a fim de que seja restituído o cargo de secretário geral da vice-governadoria e demais cargos de assessoria em atenção às leis delegadas de nº 122/2019 e 123/2019, assim como ao artigo 27, inciso VI, da Constituição do Estado do Amazonas”.

O mandado está sob análise do gabinete do desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) Cláudio César Ramalheira Roessing.

Publicações relacionadas

Romero promete doar salário caso seja eleito prefeito de Manaus

Redação

Nitazoxanida reduz carga viral de pacientes com covid-19, diz pesquisa

Redação

Ameaçada pelo furacão Delta, Cancún esvazia hotéis e prepara abrigos

Redação

Deixe uma resposta