Brasil Destaques Esportes

Brasil faz testes contra Venezuela nesta sexta-feira

São Paulo – A Seleção Brasileira vai descobrir, nesta sexta-feira (13), às 20h30 (de Manaus), como atuar sem os dois principais nomes desta geração: Neymar e Philippe Coutinho. Os dois são os grandes desfalques do time que joga no Morumbi pela Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 contra a Venezuela. As ausências forçam o técnico Tite a buscar uma nova formação, com direito a um trio de ataque diferente: Gabriel Jesus, Roberto Firmino e Richarlison.

Em quatro anos no comando da seleção, será a primeira vez que Tite não terá a dupla Neymar e Coutinho para um jogo disputado em data oficial. Nas 50 partidas realizadas sob o comando do treinador, apenas uma vez o Brasil estava sem os dois. Em 2017, um amistoso beneficente no Rio de Janeiro, contra a Colômbia, contou só com atletas que atuam no futebol brasileiro.

Neymar ainda integra o elenco e deve retornar contra o Uruguai, na terça, quando estiver recuperado de lesão na coxa esquerda. Já Coutinho foi um dos seis jogadores convocados e posteriormente cortados da Seleção. O jogador do Barcelona teve um problema na coxa esquerda e terá como substituto Éverton Ribeiro, do Flamengo. Coutinho é o atleta mais utilizado por Tite e esteve presente em 46 dos 50 jogos.

Time deve ir à campo com mudanças no ataque e na armação das jogadas (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Essa convocação teve um número maior (de cortes) do que realmente acontece, ou por lesão ou pelo problema da covid-19. Eu quero olhar esse lado real também. As oportunidades surgem”, disse Tite.

A equipe perdeu nesta quinta o lateral Gabriel Menino, diagnosticado com o novo coronavírus. Os outros atletas testaram negativo e vão passar outra série de exames no fim de semana.

Tite vai escalar Ederson no gol, mesmo com o retorno de Alisson. Sem contar com o volante Casemiro, outro diagnosticado com covid-19, Allan assume a posição. O ataque terá o comando de Richarlison posicionado como centroavante, em vez de Firmino, que agora virou ponta. “O Richarlison será o ‘nove’. O Firmino será um jogador mais livre, como um articulador”, explicou o técnico.

Pelo menos as mudanças na escalação não mexem com o favoritismo do Brasil. A equipe lidera as Eliminatórias e recebe dentro de casa um dos adversários mais frágeis do continente. A Venezuela perdeu os dois primeiros jogos e foi o único país a não ter marcado gol na competição até agora.
Ainda assim, o Brasil tem na memória o último encontro com a Venezuela. O resultado foi frustrante. Na Copa América do ano passado, em Salvador, as equipes empataram por 0 a 0.

“São confrontos sempre muito complicados, a gente tem uma partida recente contra a Venezuela, na Fonte Nova. Foi jogo em que eles nos impuseram muita dificuldade. É uma equipe que se fecha bem”, explicou o zagueiro Thiago Silva.

Publicações relacionadas

Desembargador Wellington Araújo conclui trabalhos desenvolvidos como presidente das Câmaras Reunidas

Redação

Janaina diz que Eduardo quer derrubar Bolsonaro para ser presidente

Redação

Mais de 70 mil pessoas passaram pelo Festival Folclórico do Amazonas em dez dias de evento

Redação

Deixe um comentário