Amazonas Destaques Manaus

‘Bandido não deve ser tratado como cidadão’, diz prefeito de Manaus ao defender guarda armada

MANAUS – O prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), afirmou que armar a Guarda Municipal é necessário porque a cidade precisa de mais segurança pública. A medida foi aprovada pela Assembleia Legislativa do Amazonas na quarta-feira (16).

Almeida afirmou que “pra bandido, pra vagabundo, não se pode dar moleza” e “se eu puder dar armas pra eles (os guardas), dar chicote, chibata, eu darei para que eles deem nesses vagabundos”, disse o prefeito, na manhã desta quinta-feira (17), ao falar sobre o bairro Morro da Liberdade, na zona sul, onde morou, mas sem fazer referência à violência no local.

A decisão de armar a guarda municipal foi tomada após os ataques criminosos na capital no domingo (6) quando ônibus e caixas eletrônicos de agências bancárias foram incendiados e delegacias de polícia sofreram atentados. O prefeito, inclusive, exemplificou sua justificativa ao relembrar o ataque à Praça das Letras, zona centro-oeste da capital.

“Eu tinha três guardas municipais lá na Bola das Letras quando chegaram três marginais, bandidos, vagabundos. Eles (os guardas) ficaram assistindo aos caras tacarem fogo. Se eles tivessem armas, eles teriam autorização de derrubar aqueles três vagabundos para servirem de exemplos para todos os outros”, disse o prefeito.

Guarda Municipal de Manaus receberá armas para usar em confrontos com bandidos (Foto: Walter Franco/ATUAL)
Agentes da Guarda Municipal de Manaus receberão armas para usar em confrontos com ‘bandidos’ (Foto: Walter Franco/ATUAL)
Armas usadas

As armas que serão usadas pelos servidores são as já utilizadas pelos policiais civis e militares e serão requisitadas à SSP-AM (Secretaria de Segurança Pública). De acordo com Almeida, já existe uma negociação com o secretário de Segurança Louismar Bonates, que se prontificou a “fazer uma boa doação de armas, dessas pistolas que eles usam atualmente”, disse.

As pistolas, de início, servirão para o treinamento dos guardas. “Nós vamos armá-los com o que há de melhor, com armamento pesado, para eles estarem preparados para o combate caso tenham um confronto”, completou.

David ainda disse que “vagabundo, ninguém pode tratar como ser humano, não”, mas corrigiu em seguida: “ser humano, não, como cidadão. Tem que tratar como ser humano, mas como vagabundo”, concluiu.

Assista à fala do prefeito, na íntegra, em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (17):

Publicações relacionadas

MPF, Estadual e do Trabalho acionam Ministério da Saúde para fiscalizar ações da Covid-19 no AM

Redação

Ministro Nelson Teich visita Comando Militar da Amazônia para debater medidas contra covid-19

Redação

Josué solicita ao presidente Bolsonaro que verbas de P&D sejam destinadas ao combate do coronavírus

Redação

Deixe uma resposta