Destaques Mundo

Astrônomos observam explosão de uma estrela de nêutrons

Pela primeira vez, uma estrela de nêutrons foi flagrada absorvendo matéria e liberando uma explosão de raios-x. O fenômeno foi observado por sete diferentes laboratórios, sendo o trabalho conjunto de 15 cientistas de 5 institutos de astronomia.

Astrônomos se questionam sobre a causa das violentas explosões das estrelas de nêutrons há anos. Até os recentes estudos, a fase de explosão dessa estrela nunca havia sido observada por inúmeras razões — dentre elas, limitações tecnológicas. Hoje, a pesquisa comandada pelo PhD Adelle Goodwin gerou frutos e o fenômeno foi flagrada em detalhes.

O processo de absorção durou cerca de 12 dias, exigindo a colaboração de 5 telescópios terrestres e 2 estruturas espaciais para observá-lo. O evento foi capturado em múltiplas frequências, incluindo com sensores de altíssima sensibilidade e detectores de raio-x. Logo depois, a estrela entrou em estado de explosão e lançou jatos de raio-x mil vezes mais brilhantes que o nosso Sol. Antes desse estudo, os cientistas acreditavam que o processo de absorção durava de 2 a 3 dias.

a'

Segundo o estudo, a liberação dos raios durou semanas e dissipou o equivalente a uma década de iluminação solar em energia. Isso se dá pela característica de um sistema estelar de nêutrons “acumuladores”. Depois de retirar o material de uma estrela antiga, o corpo estelar forma um disco de acúmulo de matéria e nele libera quantidades absurdas de energia.

Os relatórios e os dados produzidos foram aprovados pela Monthly Notices of the Royal Astronomical Society — revista científica sobre astronomia e astrofísica quase bicentenária. Agora, com informações em mãos, os pesquisadores poderão destrinchar a física dessas explosões de raio-x e o comportamento das estrelas de nêutrons.

“Os resultados desse trabalho ‘clareiam’ a física de um sistema de estrela de nêutrons e, primeiramente, entender como essas explosões são formadas — coisa que tem confundido astrônomos por um bom tempo”, disse Dr. David Russel, um dos co-autores da observação e pesquisador da Universidade de Nova Iorque.

Sendo assim, o grupo deve voltar seus esforços para retirar conclusões das imagens dos sensores e das fases do fenômeno.

fontes:
Phys.Org Futurism Space

Publicações relacionadas

Saída dos Estados Unidos da OMS ocorrerá em julho de 2021

Redação

Grupo de 18 anos lidera cobertura da vacina em Manaus

Redação

Lista de secretarios da Gestao David Almeida

Redação

Deixe uma resposta