Amazonas Destaques Manaus

Após ouvir apelos de Eduardo sobre calamidade no AM diante da Covid-19, ministro da Saúde afirma que o Estado é prioridade absoluta

O Amazonas é prioridade absoluta nas ações de combate à Covid-19, disse o ministro da Saúde, Nelson Teich, em videoconferência com os senadores, no fim da tarde desta quarta-feira (29/04). Em seguida, o secretário-executivo da pasta, Eduardo Pazuello, anunciou que decolam nesta quinta-feira (30/04) para a capital amazonense equipamentos, como respiradores, e pessoal especializado. Ambas manifestações ocorreram logo após o apelo do senador Eduardo Braga (MDB/AM) por providências urgentes para atender a desesperada população amazonense.

Em pouco mais de cinco minutos, o parlamentar defendeu a instituição de um cronograma de ações do ministério no Estado, com ampla divulgação das informações, reiterou a importância do isolamento social como uma das mais eficazes medidas de contenção do avanço da doença e reivindicou o funcionamento imediato dos 610 leitos nas unidades de saúde que atendem os infectados no Estado. Desse número, 120 podem ser transformados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), disse o senador.

Veja a manifestação do senador Eduardo Braga: https://www.facebook.com/EduardoBraga15/videos/2893780657405926

“Cada dia, cada hora e cada minuto são imprescindíveis. Nos 10 dias em que o senhor já está no cargo, ministro, o Amazonas já perdeu dezenas de vidas. Daqui a 10 dias, teremos mais dezenas de vítimas. Portanto, ações urgentes e objetivas precisam ser tomadas”, disse Eduardo, que prosseguiu: “É preciso ter um cronograma de ações e que seja dada a devida transparência a ele. A população de Manaus e do Amazonas está desesperada. Tem gente morrendo em casa porque não consegue atendimento “.

Eduardo pediu, ainda, que fossem viabilizados o mais rápido possível os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os servidores da saúde e da segurança pública. Pelo menos 30% desses efetivos já foram diagnosticados com a enfermidade, revelam os órgãos da área. Além disso, solicitou a instalação de hospitais de campanha nas regiões do Alto Solimões e Alto Rio Negro, onde se concentram o maior número de indígenas do Amazonas. “O Alto Solimões só tem um hospital, que é militar e está com seus sete leitos de UTI ocupados. Se não instalar um hospital de campanha lá e no Alto Rio Negro, gente vai morrer sem atendimento”, declarou.

Segundo o último boletim epidemiológico divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), o Amazonas já registra 4.801 casos confirmados e 380 óbitos. Nas últimas 24 horas, foram contabilizadas mais 464 pessoas infectadas. Outro dado que reflete a situação dramática é a estimativa da Prefeitura Municipal de Manaus de 4,2 mil enterros ao longo de maio. A média atual é de 100 sepultamentos por dia. No último domingo, 26 de abril, foram realizados 140 enterros.

Publicações relacionadas

Na Moto Honda, Wilson Lima diz que reforma tributária não pode beneficiar regiões mais ricas em detrimento da ZFM

Redação

Mais de 11 mil famílias serão beneficiadas com a revitalização de ramal na BR-174

Redação

Bolsonaro deve pedir em pronunciamento que população não compareça a protesto

Redação

Deixe uma resposta