Amazonas Destaques Manaus

Amazonas completa um mês de Coronavírus

Em tempo recorde, Artur entrega os primeiros 18 leitos de UTI do hospital de campanha

Há exatamente um mês, no dia 13 de março, o Amazonas registrava o primeiro caso de Cocid-19. Hoje, 13 de abril, são 1.206 casos confirmados, 62 mortes e o sistema de saúde colapsado. O Amazonas lidera o ranking nacional de casos e de mortes para cada grupo de 100 mil habitantes e está na fase de crescimento descontrolado da doença. Hoje, chega a Manaus uma equipe de médicos intensivistas de outras regiões enviada pelo Ministério da Saúde para ajudar no atendimento dos pacientes no hospital Delphina Aziz, além de três técnicos do hospital Sírio Libanês especializados em gestão de crise para intervir no sistema e indicar novos caminhos para o sistema de saúde local.

Ocupação do hospital

Uma das primeiras medidas é ocupar os três andares atualmente desocupados do Delphina Aziz para instalar 340 novos leitos exclusivos para pacientes com sintomas de coronavírus e 20 respiradores mecânicos. Com isso, o Delphina passaria a funcionar com a sua capacidade total a partir desta semana. O comandante do CMA, general Teóphilo Gaspar, e o superintendente da Suframa, Alfredo Menezes, tiveram papel fundamental nesse socorro do Governo Federal para o Amazonas.

Prefeitura entrega leitos de UTIs

Em tempo recorde, o prefeito Artur Neto em parceria com a Samel inaugurou na noite de domingo (12/4) a primeira das duas salas com 18 leitos de UTI instaladas no hospital de campanha Municipal Gilberto Novaes, que está sendo montado no Centro Integrado Municipal de Educação (Cime), no bairro Lago Azul, zona Norte. O espaço começa suas atividades nesta segunda-feira auxiliando no atendimento de pacientes com Covid-19 que se encontram internados em outras unidades de saúde. O local recebeu as bênçãos do arcebispo emérito de Manaus Leonardo Steiner. No total, o hospital de campanha terá 144 leitos entre clínicos e de UTIs.

Wilson admite adotar lockdown

Com os casos de coronavírus explodindo sem controle e com o sistema colapsado, o governador Wilson Lima admitiu pela primeira vez adotar medidas ainda mais rígidas no controle de circulação de pessoas. Em live ao lado da nova secretária de Saúde, Simone Papaiz, Wilson Lima disse que foi orientado por especialistas a decretar lockdown, quando fecha tudo e a circulação nas ruas só é permitido para poucas pessoas autorizadas. “Se as pessoas continuarem a desrespeitar o isolamento social, não terei outra alternativa a não ser decretar o lockdown”, advertiu.

Sistema sem medicamentos

Não faltam apenas leitos e profissionais de saúde no atendimento de pacientes com coronavírus e crises respiratórias agudas graves. Falta medicamentos, principalmente o Oseltamivir, comercializado sob a marca Tamiflu, um antiviral usado na prevenção e tratamento de crises respiratórias.

Fantástico mostra o caos na saúde

O programa Fantástico, da Globo, mostrou reportagem ampla sobre o caos na saúde do Amazonas, que enfrenta falta de leitos, medicamentos, de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os profissionais de saúde, e explosão dos casos de coronavírus. Ficou claro que o Governo do Estado não priorizou a saúde.

Prioridades equivocadas

No primeiro trimestre deste ano, o governador Wilson Lima priorizou o pagamento de mais de R$ 700 milhões de reais de dívidas antigas de fornecedores (inclusivas da época do então governador José Melo) e não o pagamento dos profissionais de saúde, que estão até com cinco meses de atraso. Parlamentares apontam o vice-governador Carlos Almeida Filho, eminência parda do governo, como o responsável pela opção por pagar dívidas antigas em vez de investir em respiradores e máscaras de proteção ao Covid19. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Outras prioridades

Parlamentares apontam o vice-governador Carlos Almeida Filho, eminência parda do governo, como o responsável pela opção por pagar dívidas antigas em vez de investir em respiradores e máscaras de proteção ao Covid19. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Damares em Manaus

Quem esteve neste domingo em Manaus foi a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, que juntamente com o presidente da Funai, Marcelo Augusto Xavier, vieram tratar sobre o atendimento dos indígenas com suspeita de coronavírus. Um hospital de campanha será montado pelo Governo Federal em Manaus para atender a população indígena.

Publicações relacionadas

Josué Neto passa bem após cirurgia

Redação

Deputados estaduais enviam mais de R$ 33 milhões ao governo para enfretamento da Covid-19

Redação

Superintendente da Polícia Federal no AM destaca que Wilson Lima dá a palavra final em compras

Redação

Deixe uma resposta