Amazonas Destaques Manaus

Aeroporto Eduardo Gomes não vai ser leiloado, decide o STJ

O aeroporto internacional Eduardo Gomes foi retirado do leilão de concessões realizado pelo governo federal no último dia 7. A decisão é do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, que restabeleceu medida cautelar do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

O ministro Humberto Martins reconsiderou posição adotada no início do mês, quando aceitou o pedido de suspensão feito pela União contra decisão do TRF1 que havia retirado o aeroporto de Manaus (concessão de uso de área para exploração comercial e operação da atividade de armazenagem e movimentação de cargas internacionais e/ou nacionais no Aeroporto Internacional de Manaus/Eduardo Gomes) do bloco oferecido no leilão.

Martins levou em consideração a existência de um contrato assinado em 2018 entre a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e o consórcio SB Porto Seco, vencedor de licitação para exploração comercial e operação de atividade de armazenagem e movimentação de cargas no aeroporto de Manaus pelo prazo de dez anos.

No início de abril, o TRF1 deferiu o pedido do consórcio SB Porto Seco para excluir o aeroporto de Manaus da rodada de concessões. No STJ, a União alegou que a interferência judicial em leilão internacional geraria dano irreparável à imagem do Brasil e significativa perda de receita.

Saguão do Aeroporto Eduardo Gomes em Manaus-Amazonas – foto: recorte/arquivo

Consórcio

No pedido de reconsideração, o consórcio argumentou que a retirada do aeroporto de Manaus do leilão seria uma forma de manter a credibilidade do poder público perante os investidores, pois havia uma licitação “definitivamente encerrada, aperfeiçoada e acabada”.

Em sua nova decisão, o presidente do STJ avaliou que a assinatura do contrato administrativo entre a Infraero e o consórcio SB Porto Seco (3/10/2018) inviabiliza o pedido de suspensão feito pela União contra a medida cautelar do TRF1, pois seu atendimento exigiria a análise da validade do contrato e da possibilidade de sua revogação.

Segundo Humberto Martins, a via processual da suspensão de liminar e de sentença também não é adequada para o exame da viabilidade do equilíbrio econômico-financeiro da concessão do terminal de Manaus à iniciativa privada, a fim de justificar eventual deferimento do pedido da União.

Estão mantidos no Bloco Norte do Leilão Anac 1/2020 os terminais de Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC), Tabatinga (AM), Tefé (AM) e Boa Vista (RR).

Publicações relacionadas

Fiscalização do Detran-AM flagra motoristas alcoolizados e remove 23 veículos por irregularidades na zona norte de Manaus

Redação

Na abertura do ‘Muda Manaus’, Wilson Lima anuncia convocação de 796 bombeiros médicos

Redação

Ano letivo 2020 nas escolas da rede estadual de ensino do AM tem início nesta quinta (6) com 440 mil estudantes

Redação

Deixe uma resposta