Amazonas Destaques Manaus

Manaus – O Tribunal de Contas do Estado (TCE) mandou o governo Wilson Lima suspender gastos com propaganda para a Companhia de Saneamento do Amazonas (Cosama), que atua no interior, que custariam R$ 4,3 milhões aos cofres públicos, em meio à maior crise de Saúde do Amazonas.

A decisão de suspender o contrato é do auditor-relator de contas Luiz Henrique Mendes e foi tomado em uma representação ingressada pelo deputados estaduais Wilker Barreto e Dermilson Chagas, ambos do Podemos.

De acordo com o TCE as contratações citadas não são prioridade nesse momento pandêmico (Foto: Divulgação/TCE)

Nos documentos, os parlamentares questionam os gastos previstos em pregão presencial para contratar empresa especializada em fornecimento de serviços gráficos e comunicação visual, para divulgação e difusão de informações e serviços da Cosama, no valor global de R$ 4.366.165, “uma vez que o Estado do Amazonas está sob efeito da calamidade pública em razão da segunda onda da Covid-19”.

De acordo com os deputados, as contratações citadas não são prioridade nesse momento pandêmico. “Ainda assim, o governo privilegia contratações e gastos desenfreados, uma ofensa com os cidadãos amazonenses, ver a homologação de contratos milionários para serviços gráficos e comunicação visual (publicidade), na órbita de R$ 4.366.165,00, em desobediência ao Decreto nº 42.146 de 31 de março de 2020, ainda vigente, que estabeleceu o plano de contingenciamento para todos os órgãos do poder executivo estadual”, consta na representação.

Em resposta a representação, o governo do Estado argumentou, em síntese, nos autos do processo, que a representação é política, sendo e, por isto, o Poder Judiciário não avalia-la e que a suspensão da contratação teria que ser praticada pela Assembleia Legislativa. Ainda para defender a contração, o governo citou que “a contratação tem vigência de cinco anos e será paga sob demanda”.

No entanto, os argumentos do governo não convenceram o auditor do TCE. Para Luiz Henrique Mendes, não é legítimo o montante a ser gasto em meio a tantas outras prioridades.

“Não parece crível – repito, pelo menos em sede superficial de análise não exauriente, característica das cautelares – que seja legítimo o gasto com material gráfico por parte da Cosama com tantos investimentos prioritários a serem feitos, em razão do incontestável baixo índice de saneamento básico dos municípios do interior do Amazonas atendidos pela empresa”. Para o auditor, “há ilegalidade na condução do certame licitatório”.

No trecho final da decisão, Mendes determina a suspensão do contrato. “Por todo o exposto e considerando tudo mais que dos autos consta, bem como a fim de garantir resultado útil ao processo, defiro o pedido de medida cautelar no sentido de determinar ao diretor-presidente da Cosama, Armando Silva do Valle ou quem o faça as vezes, que se abstenha de contratar e/ou realizar qualquer despesa referente ao Pregão Presencial nº. 021/2020 CPL/COSAMA”.

Fonte: D24am. Leia mais em https://d24am.com/politica/tce-suspende-gastos-de-r-4-mi-da-cosama/

Publicações relacionadas

Partido Trabalhista Cristão fecha aliança com David Almeida em Manaus

Redação

Polícia deflagra operação para conter crimes em todas as zonas de Manaus

Redação

Luis Arce assume vitória na Bolívia antes do resultado oficial

Redação

Deixe uma resposta