Amazonas Destaques Manaus

Ribeirinhos do rio Madeira têm dia de acesso à justiça em ação da Defensoria Pública

Defensores públicos atenderam moradores em comunidades de Humaitá durante o feriado

Moradores de sete comunidades ribeirinhas da calha do Rio Madeira tiveram um dia de acesso à cidadania nesse feriado da Consciência Negra. Durante a quarta-feira (20), uma equipe da Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) deixou a sede do Polo do Madeira, em Humaitá, e viajou duas horas de barco para prestar atendimento jurídico gratuito aos ribeirinhos.

Com o apoio da Diocese de Humaitá, a Defensoria atendeu moradores das comunidades Santa Rosa, Namour, Ilha da Pupunha, Nova Israel, Pacoval, São Paulo e Galiléia. “Na primeira parte, fizemos uma atuação coletiva, de conversar com todos, para entender quais são as demandas coletivas das localidades. A gente percebeu demandas de saúde, de educação, falta de energia elétrica e saneamento caótico. Como eles não têm posto fixo, eles têm muita dificuldade de acesso à saúde”, conta a defensora pública Gabriela Andrade.

Diante das demandas, a Defensoria Pública vai oficiar as secretarias municipais e estaduais responsáveis pelas áreas cuja população tem enfrentado problemas, além de se reunir com a concessionária Amazonas Energia. “Faremos isso para tentar resolver extrajudicialmente. Porque sempre nosso objetivo é a resolução extrajudicial do conflito. Caso não seja resolvido, a gente vai judicializar”, explica a defensora.

Além das demandas coletivas, mais de 100 moradores também foram atendidos individualmente pelas defensoras Gabriela Andrade, Stéfanie Sobral e Natália Saab, e o defensor público Newton Lucena. Entre as principais demandas dos assistidos, estavam a necessidade de medicamentos de alto custo e as solicitações de benefícios como o Bolsa Família e outros ligados ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

A Secretaria Municipal de Assistência Social também será oficiada pela DPE-AM para o cadastro dos ribeirinhos no Bolsa Família. Já as demandas relacionadas ao INSS serão solucionadas em parceria com a Defensoria Pública da União (DPU). “Estivemos nas comunidades para afirmar que o Estado existe e está com os ribeirinhos, em que pese a distância. Estaremos na luta pelo direito de todos. A justiça começa pela Defensoria Pública, que é a casa dos ribeirinhos”, afirma o defensor Newton Lucena.

Para a defensora pública Stefanie Sobral, com a visita às comunidades, os defensores puderam entender quais são as reais necessidades e as dificuldades encontradas pela população ribeirinha. “Com base nos dados colhidos poderemos tomar medidas judiciais e extrajudiciais para ajudá-los a ter uma vida mais digna”, destaca.

Conhecendo a Defensoria Pública

A Defensoria Pública é o órgão responsável por levar assistência jurídica integral e gratuita a quem não tem condições financeiras de contratar um advogado. Segundo a equipe que visitou as comunidades, a ação também serviu para apresentar os serviços da Defensoria aos ribeirinhos.”Nos atendimentos também percebemos a importância da educação em direitos para os ribeirinhos. Muitos moradores não conheciam a atuação da Defensoria Pública enquanto instituição difusora dos direitos humanos. Agora os ribeirinhos sabem que há uma instituição pronta para lutar pelos seus direitos”, afirma a defensora Natália Saab.

Assessoria de Comunicação

Related posts

Prefeitura de Manaus irá revitalizar área atingida por incêndio no Educandos

admin

Trecho da Djalma Batista em Manaus segue em obra para reparos em tubulação que se rompeu

admin

Negociações do Refis Municipal terminam nesta sexta-feira, 27/12

admin

Leave a Comment